Notícias

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Migração voluntária: Mais de 14 mil professores inscritos

Confira a lista classificatória foi divulgada nesta segunda-feira, disponívelno site da Seeduc

 

A listagem classificatória da migração voluntária da jornada de trabalho do Professor Docente I, de 18 horas para 30 horas, em caráter definitivo, foi divulgada nesta segunda-feira (17/06). Ao todo, 14.476 profissionais se inscreveram pelo site. A transição das 5 mil vagas oferecidas será feita por etapas, conforme cronograma e regras publicadas via resolução. Os servidores devem aguardar a convocação que será publicada no Diário Oficial para comparecer às Regionais Administrativas, com toda a documentação necessária.

 

Após a convocação, os servidores aprovados terão assegurado todos os benefícios relativos à jornada de 30 horas semanais em sua carreira, como aposentadoria e vencimentos proporcionais à nova jornada. O início dos procedimentos migratórios será no dia 24 de junho.

 

 — Isso demonstra o compromisso que o governo tem com os docentes. Seguiremos trabalhando para valorizar ainda mais a carreira do magistério e os nossos professores — afirmou a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto.

 

O regime de 30 horas semanais deverá ser cumprido na forma de 20 horas de efetiva regência, acrescida de 10 horas de planejamento e estudo, seguindo assim a Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Também não haverá prejuízo na progressão para os que optarem pela troca do regime, sendo assegurada a manutenção do nível e referência que se encontravam antes da migração, conforme Plano de Carreira do Magistério, bem como será mantida a classificação do docente na unidade escolar para efeito de alocação nas turmas e turnos.

 

Para conferir a lista dos classificados (clique aqui)



Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

COMUNIDADO: CONTRATAÇÃO POR LICITAÇÃO - Serviços de imunização e controle de pragas

 A Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ) informa que está iniciando o período para o envio de cotações de preços de visando a contratação de empresa fornecedora de serviços de imunização e controle de pragas urbanas (desinsetização, desratização e descupinização, bem como controle de pombos e morcegos), além de lavagem com desinfecção de reservatórios de água, para assegurar um ambiente seguro e saudável nas escolas públicas estaduais, visando a saúde e o bem-estar de alunos, professores e funcionários da pasta

 

 

Fornecedores interessados estão convidados a enviar suas cotações de preços EXCLUSIVAMENTE para o e-mail compras@educacao.rj.gov.br.

 

Vale ressaltar que a proposta deve conter os aspectos formais mínimos para sua validade, tais quais:

1 - Assinatura do Responsável;

 

2 - Data, Prazo, Razão Social;

 

3 - CNPJ;

 

4 - Endereço da Empresa e 

 

5 - Validade da Proposta.

 

 

O envio deverá ocorrer no prazo de 07(sete) dias corridos, a contar do dia 28/06/2024. Os detalhes do trâmite constam no Termo de Referência, nos anexos abaixo, junto ao modelo de proposta e planilha de formação de custos.


 

Para mais informações acesse os links abaixo:



Termos de Referência


Modelo de Proposta ( Apenas Cálculos) 


Anexo I - Locais de Execução de Dedetização


Anexo II - Locais de Execução de Reservatório D'Água


Anexo III - Ordem de Serviço


Anexo IV - Modelo de Proposta


Anexo V - Modelo Ateste do Serviço Executado


Anexo VI - Contatos Regionais

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Seeduc-RJ dá início ao processo consultivo para direção de escolas

Procedimento já está em andamento para indicação de diretores e diretores-adjuntos de unidades escolares

 

Atendendo a uma antiga reivindicação dos profissionais de ensino, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ), deu início ao processo consultivo para a indicação de diretores e diretores-adjuntos das unidades escolares, integrantes da rede Seeduc, para o triênio 2024-2026.

 

– É muito importante estarmos ouvindo a sociedade e, principalmente, trocarmos experiências. Esse processo demonstra o compromisso que o governo tem com os docentes e mostra como um diálogo respeitoso, aliado a uma gestão séria, pode dar resultados muito positivos para o ensino. A escola é o portal da transformação, e todos nós somos os responsáveis por abrir esta porta. Sabemos que um ambiente de bons resultados só se constrói quando há paz, entendimento e colaboração. Depende de cada um de nós – disse a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto.

Importante ressaltar que as normativas, que regem a consulta este ano, são oriundas de amplo debate com representantes de entidades da sociedade civil e órgãos de controle. Para assegurar total transparência no Processo Consultivo 2024, os Planos de Gestão Escolar das chapas participantes devem estar disponibilizados na página eletrônica da Seeduc.

– É o exercício da democracia que vai transparecer o desejo da comunidade escolar em relação à gestão da sua unidade – concluiu a secretária.

Após a conclusão de todas as etapas e a homologação das chapas, a votação nas unidades escolares está programada para ocorrer entre os dias 29 e 31 de julho, com o resultado final previsto para a primeira semana de agosto.

Os professores interessados em se candidatar devem atender a alguns requisitos, como ser membro efetivo do magistério da Seeduc-RJ e ter exercido a regência de turma por pelo menos três anos, além de ter disponibilidade para cumprir 40 horas semanais.

 

Para mais informações, clique aqui




Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Jovem Senadora é de Aperibé

Kaylane Bastos é selecionada para representar o Estado do Rio em Brasília

 

A aluna Kaylane Cristhina Gomes Bastos, do Ciep 419 - Benigno Bairral, do município de Aperibé, Região Noroeste Fluminense, representará o Estado do Rio de Janeiro no Programa Jovem Senador, em Brasília-DF. O anúncio foi feito pela subsecretária de Gestão de Ensino, Joilza Rangel, nesta segunda-feira, dia 17/06.

Acompanhada pela professora Anny Magally Teixeira, a adolescente vai vivenciar a rotina de um senador da República durante uma semana, entre os dias 5 e 9 de agosto, atuando como representante do estado durante as sessões plenárias e reuniões das comissões temáticas.

– Pesquisei o tema e achei legal, porque eu não sabia como funcionava o Senado. Temos que aprender mais sobre política para poder estar no meio – disse Kaylane.

O Programa Jovem Senador é uma ação institucional do Senado voltada para estudantes do Ensino Médio das escolas públicas. A escolha dos jovens de cada unidade da federação acontece por meio de concurso de redação, que este ano teve como tema ‘Os 200 anos do Senado e os desafios em 2024 para o futuro da democracia’.

– Que orgulho ter uma menina representando nosso estado! Precisamos de mais mulheres conhecendo a política, a democracia – destacou a subsecretária Joilza.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Professores formadores participam de curso de práticas restaurativas em ambiente escolar 

Iniciativa é uma parceria entre a Seeduc e o Ministério Público que visa à capacitação de 30 profissionais

 

Professores formadores da rede estadual de ensino participaram da aula inaugural do curso ‘Práticas Restaurativas: Soluções Consensuais em Ambiente Escolar’, promovido pela Secretaria de Estado de Educação (Seeduc-RJ), em parceria com a Coordenadoria de Mediação, Métodos Autocompositivos e Sistema Restaurativo, do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (CEMEAR/MPRJ). Realizada nas dependências do MP, no Centro do Rio, a ação teve como objetivo a capacitação de 30 profissionais, que terão a missão de difundir conceitos, técnicas e abordagens que auxiliem os educadores da rede a lidar com conflitos nas unidades escolares.    

O curso faz parte do Plano de Ações Integradas de Segurança e Cultura de Paz nas Escolas (SegPaz), elaborado pela Seeduc-RJ e inserido nas iniciativas do Comitê Intersetorial de Segurança Escolar, criado pelo governador Cláudio Castro no ano passado, visando desenvolver parcerias, projetos, treinamentos e atividades de prevenção à violência nas escolas.

Para o superintendente de Desenvolvimento de Pessoas da Seeduc, Diego Ferreira, a parceria com o MPRJ é mais um passo para o estabelecimento de uma cultura de paz no ambiente escolar.  

— O curso é fundamental, porque ele integra o esforço da secretaria em torno do nosso objetivo. Desde o ano passado, a pasta se empenha em um conjunto de ações para combater episódios de violência. E esta ação de formação é mais uma parceria nesse sentido. A ideia é que esses 30 formadores multipliquem conhecimento sobre práticas restaurativas e que os professores da rede trabalhem essa temática com os alunos — disse o superintendente.


Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

A promotora de Justiça Roberta Rosa Ribeiro, coordenadora do CEMEAR/MPRJ, destacou a importância do curso para o Ministério Público, que também tem a missão de fomentar a cultura de paz, a política de mediação e a utilização de métodos autocompositivos.

 — A gente sempre teve a Seeduc como parceira estratégica, de construção de políticas e projetos em conjunto. Agora, temos a oportunidade de iniciar uma nova etapa. Nesse momento, a gente acredita que essa iniciativa tem a possibilidade de aumentar a capilaridade, ter maior entrada com os professores, replicando esse conhecimento — comentou a promotora, que abriu os trabalhos ao lado do também promotor Alexandre Joppert, vice-diretor do Instituto de Educação Roberto Bernardes Barroso do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (IERBB/MPRJ).   

Durante a aula inaugural, os 30 professores formadores participaram de dinâmicas de grupo e atividades que introduziram de forma lúdica o tema Justiça Restaurativa ou Práticas Restaurativas. Para o formador Sandro Azevedo, o curso é fundamental para que os profissionais se adequem às novas metodologias e à realidade nas escolas.

— A tecnologia, a velocidade da informação, é tudo muito rápido. O aluno avança muito rapidamente, muda culturalmente, e o professor não pode ficar engessado. Por isso, a formação continuada é muito importante — afirmou o professor.

O curso terá ainda mais seis aulas sempre de forma presencial. Os próximos temas serão ‘Teoria do Conflito’ (02/07), ‘Ferramentas de Comunicação’ (30/07), ‘Ferramentas de Negociação’ (06/08), ‘Práticas Restaurativas na Educação’ (13/08), ‘Operacionalização da Justiça Restaurativa’ (20/08) e ‘Estudos de Caso e Prática’ (27/08). 

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Bruno da Matta - Seeduc-RJ

Ciência na prática: Escola estadual faz experiência com pontes de palitos de picolé

Alunos do Colégio Estadual Vicente Jannuzzi, na Barra da Tijuca, criam protótipos que devem resistir a cargas crescentes

 

Uma iniciativa especial, diferenciada, para estimular a criatividade e a busca de novas informações para o cálculo de estruturas do tipo treliça. Este é o objetivo do projeto ‘Pontes de Palitos de Picolé’, uma competição bem legal, que aconteceu nesta terça-feira (18/06), no Colégio Estadual Vicente Jannuzzi, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio.

 

— Meu agradecimento a todos que estão envolvidos neste projeto. A escola é o portal da transformação. Essa é uma oportunidade para promover mudanças significativas e proporcionar uma aprendizagem mais consolidada para nossos jovens. Educação se constrói e se faz com conhecimento e dados. E vocês estão aqui para fazer a diferença. Conseguimos construir novos elos de compromisso e companheirismo – afirmou a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto.

Fotos: Bruno da Matta - Seeduc-RJ

A iniciativa consiste na avaliação de um protótipo de uma ponte, executado com palitos de picolé de madeira e ligados com cola. Este modelo deverá resistir a uma determinada carga crescente, para avaliação do seu desempenho estrutural.

 

— Procurei trabalhar uma atividade que abrangesse não só as profissões ligadas à construção civil, mas vários aspectos profissionais, como o trabalho em equipe, planejamento, organização, controle de materiais, cronograma e prazos. Desta forma, busquei conduzir o projeto de modo que desafiasse os alunos, isto é, tirando-os do lugar comum — comentou o professor Marcos Araújo, idealizador do projeto, que leciona Matemática na unidade.

 

É a primeira vez que a escola realiza esta competição, que tem como objetivo fazer com que os alunos possam sair do lugar comum. Assim, tomando o lugar de autor na construção do conhecimento acadêmico, possibilitando também adquirir conhecimentos no campo da engenharia, através da análise estrutural, o projeto, a construção e o ensaio destrutivo de uma ponte treliçada de palitos de picolé e cola quente (tipo silicone, aplicada com pistola), respeitando a descrição do regulamento.

 

— Estamos adorando o projeto. No início, achei bem complexo, mas, conforme a gente vai desenvolvendo o projeto, a gente vai entendendo as características da ponte e formando um trabalho melhor — ressaltou a aluna Ana Vitória Lima, integrante do grupo 4 desta ação.

Fotos: Bruno da Matta - Seeduc-RJ

A ponte tem que ser capaz de vencer um vão livre de 1 m, com peso entre 800 g e 1.000 g. A construção deve ser precedida da análise de algumas opções de tipos de ponte e do projeto detalhado do tipo de ponte escolhida, com estimativa de carga de colapso.

 

— Nós vemos esse projeto de forma desafiadora, porém gratificante, porque nos permite pesquisar e ver como funciona uma construção desta magnitude na vida real, fazendo a gente pesquisar e resolver problemas que aparecem durante o procedimento — disse o estudante Alessandro Ribeiro, líder do grupo 3.

 

As atividades para esta ação começaram em meados de maio, com a composição dos grupos e entrega de pesquisa preliminar. Ao longo de todo o mês, os alunos puderam desenvolver protótipos, criar novas situações e construir toda a estrutura, com base de palitos de picolé. Além disso, é uma excelente oportunidade para que esses jovens possam desenvolver trabalhos em grupo, executando seus projetos com divisões de tarefas e colaboração contínua.

 

— A minha equipe está trabalhando muito bem, estamos juntando nossas ideias e, mesmo passando por algumas dificuldades, está dando tudo certo e acabamos trabalhando muito bem em conjunto. Isso acaba sendo um treinamento até para nossa futura área de trabalho — disse a líder do grupo 6, Juliane Alves.

 

A ação está inserida no projeto ‘Mostra de Profissões: Desvendando o Futuro com o CE Vicente Jannuzzi’, e o desenvolvimento desta atividade prática busca motivar os alunos no desenvolvimento de habilidades que lhes permitam, por exemplo, projetar sistemas estruturais simples e aplicar conhecimentos básicos de Resistência dos Materiais, para resolver problemas de estruturas.

 

— Estamos tentando, com esse experimento, mostrar para os nossos alunos que, mesmo tendo aparentemente pouca força, se eles se juntarem, eles conseguem chegar muito longe — concluiu o professor Marcos.


Fotos: Bruno da Matta - Seeduc-RJ

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Seeduc participa de campanha para arrecadar material escolar para o Rio Grande do Sul

Doações podem ser feitas na Sede e nas Diretorias Regionais até o dia 5 de julho


A Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ) está participando da campanha ‘Educação com o Rio Grande do Sul’, que visa arrecadar materiais escolares para doação às crianças e aos jovens afetados pelas enchentes no Rio Grande do Sul. Lançada nesta quarta-feira (12/06), a ação é uma iniciativa do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), com a participação de todas as redes estaduais de ensino e da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime). A arrecadação vai até o dia 5 de julho.

A campanha tem objetivo de arrecadar itens escolares que possam compor mais de 100 mil kits completos e em boas condições para os alunos da rede gaúcha retornarem às aulas. Entre os materiais sugeridos para doação, estão cadernos, conjuntos de lápis de cor, canetas, estojos, apontadores, lapiseiras, réguas e calculadoras. Livros de literatura infantojuvenil também são aceitos.

A secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto, parabenizou a iniciativa do Consed e a adesão das redes estaduais de ensino para ajudar as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul.

– Estamos muito felizes com esta corrente do bem que as Secretarias de Educação de todos os estados estão promovendo para arrecadar materiais escolares para os estudantes gaúchos. Agora, mais do que nunca é hora de nos unirmos e ajudarmos – destacou a secretária.

Para recompor o acervo mínimo em 138 bibliotecas destruídas pelas enchentes, a Educação Gaúcha estima que são necessários 48.662 títulos de literatura brasileira em bom estado, para garantir aproximadamente cinco exemplares por aluno, totalizando 245.090 livros.

É fundamental unirmos esforços neste momento de adversidade para oferecer suporte às famílias e comunidades afetadas. A educação desempenha um papel crucial na reconstrução e no fortalecimento dessas comunidades, e a arrecadação de materiais escolares é um passo significativo nesse sentido disse o presidente do Consed, Vitor de Angelo, reforçando a importância da ação conjunta. 

No Estado do Rio, as doações podem ser entregues nas Diretorias Regionais da Seeduc, além da sede da pasta, na Cidade Nova – veja lista dos pontos de coleta. Vale lembrar que os alunos da rede estadual podem entregar suas doações em suas respectivas escolas, que vão se encarregar de fazer as entregas nos pontos oficiais da campanha. A população em geral também pode deixar suas doações nos endereços das Regionais e da sede.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

O que doar:

- Mochilas

- Cadernos

- Calculadora

- Canetas (azul, preta e vermelha)

- Caixas de grafite

- Lapiseiras

- Réguas

- Conjunto de lápis de cor

- Conjunto de caneta hidrocor

- Lápis preto

- Apontadores

- Estojos

- Garrafas squeezes

- Livros de literatura infanto-juvenil

 

Pontos de coleta:

 

Sede da Seeduc

Endereço: Rua Joaquim Palhares 40, 1º andar, Cidade Nova, Rio de Janeiro - RJ

 

Diretorias Regionais

 

Baixadas Litorâneas

Endereço: Rua José Clemente 17, Centro, Niterói - RJ

 

Centro Sul

Endereço: Rua Barão de Vassouras 133, Centro, Vassouras - RJ

 

Diesp

Endereço: Praça Cristiano Otoni, prédio da Central do Brasil, 5º andar, sala 533, Centro, Rio de Janeiro - RJ

 

Metropolitana I

Endereço: Rua Prof. Venina Correa Torres 41, Centro, Nova Iguaçu - RJ

 

Metropolitana II

Endereço: Rua Francisco Portela s/nº, Paraíso, São Gonçalo – RJ

 

Metropolitana III

Endereço: Rua Henrique Scheid 440, Engenho de Dentro - Rio de Janeiro - RJ

 

Metropolitana IV

Endereço: Rua Maria de Jesus Botelho 100, Campo Grande, Rio de Janeiro – RJ

 

Metropolitana V

Endereço: Rua Maria Luiza Reis s/nº, Parque Lafayete, Duque Caxias - RJ

 

Metropolitana VI

Endereço: Rua Barão de Itapagipe 311, Rio Comprido (CE Herbert de Souza) - Rio de Janeiro - RJ

 

Metropolitana VII

Endereço: Rua Roberto Bedran s/nº, Centro, São João de Meriti - RJ

 

Noroeste Fluminense

Endereço: Rua Expedicionário Cabo Gama s/nº, Cidade Nova, Itaperuna - RJ

 

Norte Fluminense

Endereço: Praça da República 6, Centro, Campos dos Goytacazes – RJ

 

Serrana I

Endereço: Rua Bingen 318, Bingen, Petrópolis - RJ

 

Serrana II

Endereço:  Rua Demerval Barbosa 15 (fundos), Centro, Nova Friburgo - RJ

 

Sul Fluminense

Endereço:  Rua São João 651, São João, Volta Redonda - RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Governo do Estado lança Jogos Escolares do Rio de Janeiro

Mais de 5 mil alunos se inscreveram em escolas das redes pública e privada

 

Chegou a vez do esporte tomar conta das escolas em todo o estado. Foi realizada, nesta quinta-feira (13/06), a Cerimônia de Lançamento dos Jogos Escolares do Rio de Janeiro (JERJ 2024), parceria das Secretarias de Estado de Educação e de Esporte e Lazer, com o objetivo de aumentar a participação de atividades esportivas em todas as instituições de ensino públicas e privadas do território estadual, e promover a ampla mobilização da comunidade estudantil fluminense em torno do esporte.

— Se não transformarmos a nossa educação numa educação interessante, que gere vínculo com o aluno, desperdiçamos a oportunidade de extrair o melhor de cada um. É necessário trabalhar as vocações para formarmos grandes cidadãos no futuro, seja no esporte, no mercado de trabalho ou mesmo dentro de casa. O Jerj chega para contribuir nesta missão – afirmou o governador do Estado do Rio de Janeiro, Cláudio Castro.

 

O JERJ tem uma novidade para esta edição: pela primeira vez, competições serão realizadas no interior do estado. A competição é dividida em cinco etapas regionais, concluindo a jornada com uma grande final na capital.

— O esporte corrobora para a melhoria da qualidade de educação. Mais de 60 quadras foram reformadas e cobertas. A gente precisa acreditar nos nossos estudantes. E sabemos que isso ajuda nas melhorias de resultados também na aprendizagem. Fui medalhista nos Jogos Escolares da minha época, e sei o que significou na minha vida em termos de disciplina e foco. Que todos vocês possam sempre nos ajudar a construir uma juventude melhor para o Estado do Rio de Janeiro – comentou a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

São 20 modalidades a serem disputadas por estudantes de 11 a 17 anos: atletismo, atletismo adaptado, badminton, basquetebol, ciclismo, futsal, ginástica artística, ginástica rítmica, handebol, judô, karatê, natação, taekwondo, tênis de mesa, tiro com arco, triathlon, voleibol, vôlei de praia, wrestling, xadrez. São mais de 5 mil alunos inscritos para as competições em todo o estado.

— Poder realizar os Jogos Escolares do Rio de Janeiro é, de fato, um momento muito marcante, pois nos sinaliza que os próximos anos são de construção e fortalecimento do esporte como um instrumento que realmente muda a vida das pessoas, gera melhores perspectivas para os nossos jovens e faz com que todos possam vibrar com um ambiente produtivo, construtivo e principalmente educativo – disse o secretário de Estado de Esporte e Lazer, Rafael Picciani.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Os Jogos serão disputados entre os dias 15 de junho e 30 de agosto e, além de troféus e medalhas, os vencedores ganham a oportunidade de representar o Rio de Janeiro em competições organizadas pela Confederação Brasileira do Desporto Escolar (CBDE), como os Jogos Escolares Brasileiros, e pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) em diversas partes do país.

 

— O Rio de Janeiro tem sido um exemplo muito positivo para nós, porque um dos grandes objetivos dos Jogos da Juventude, um evento organizado pelo COB há mais de 20 anos, é que a gente tenha os melhores atletas de cada um dos estados representados no nosso evento nacional – ressaltou Kenji Saito, Diretor de Desenvolvimento e Ciências do Esporte do Comite Olímpico Brasileiro.

 

Uma competição inédita, gratuita e aberta a todos os alunos da rede básica de ensino, com disputas em escolas de todas as regiões do estado. Que comecem os Jogos!

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Se liga galera: Inscrições para o Enem foram prorrogadas até a próxima sexta-feira (14/06)

Os estudantes cadastrados no Programa Pé-de-Meia devem fazer a inscrição para não perderem o benefício

 

As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio 2024 (Enem) foram prorrogadas até a próxima sexta-feira (14/06), e os mais de 160 mil estudantes cadastrados no Programa Pé-de-Meia devem fazer a inscrição para não perderem o benefício. Todos os interessados terão que acessar a Página do Participante, utilizando o cadastro na conta gov.br. As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro.

 

O Enem avalia o desempenho escolar dos estudantes ao término da educação básica. Ao longo de mais de duas décadas de existência, o exame se tornou a principal porta de entrada para a educação superior no Brasil, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e de iniciativas como o Programa Universidade para Todos (Prouni).

 

Um levantamento recente apontou que a distância entre o desempenho de escolas públicas e privadas no Enem está caindo. Na nota da redação, por exemplo, a diferença entre as redes, que já foi de 68% em 2018, despencou para 35% em 2022, último ano com dados disponíveis. A melhora no exame nacional é resultado de uma série de ações especiais realizadas pelas escolas da rede estadual do Rio de Janeiro, como os projetos ‘Imersão no Enem’, ‘Foco no Enem’ e ‘Enem na Escola’.

 

– Com certeza, ações desenvolvidas por toda a equipe pedagógica na rede estadual têm feito a grande diferença na formação de nossos alunos. Estamos incentivando diversas atividades preparatórias nas escolas. A missão da Secretaria de Estado de Educação é encontrar mecanismos que busquem sempre oferecer uma educação pública de qualidade para toda a comunidade escolar – comentou a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto.

 

A avaliação do Enem é dividida em dois dias: no primeiro, além da redação, são 45 questões de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e outras 45 de Ciências Humanas e suas Tecnologias; no segundo, serão 45 questões de Ciências da Natureza e mais 45 de Matemática e suas Tecnologias.

 

Instituições de ensino públicas e privadas utilizam o Enem para selecionar estudantes. Os resultados são utilizados como critério único ou complementar dos processos seletivos, além de servirem de parâmetro para acesso a auxílios governamentais, como o proporcionado pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

 

Acesse https://enem.inep.gov.br/participante e faça sua inscrição. Boa sorte.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Aluno aprovado em três universidades fala da importância do Enem

Erik Ferreira afirma que ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio o ajudou a ter excelentes resultados; inscrições para a prova acabam nesta sexta-feira (14/06)

 

Um exemplo de sucesso e dedicação. O jovem Erik da Silva Ferreira, de 19 anos, concluiu seus estudos do Ensino Médio no Ciep 201 Aarão Steinbruch, de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, e conseguiu passar para três universidades públicas. Com muito estudo, ele credita o bom resultado ao trabalho realizado na escola e afirma que ter feito a prova do Enem lhe abriu as portas para o Ensino Superior. E as inscrições para as provas do Exame Nacional terminam nesta sexta-feira (14/06).

 

— Ter conseguido esses resultados foi uma imensa alegria para mim e para todos à minha volta. Foi extremamente difícil e desgastante. Muitas vezes pensei em desistir, mas mantive a calma e foquei no meu objetivo. O Enem me ajudou a ter mais confiança para seguir com meus sonhos — conta Erick, que passou para o curso de Engenharia de Produção no Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet-RJ) e Engenharia Civil na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), optando por ingressar nessa última, começando seu curso no segundo semestre.

 

O Enem é uma das principais portas de entrada para a educação superior no Brasil, utilizado por instituições públicas e privadas como critério de seleção, além de ser um requisito para programas governamentais de auxílio estudantil. Não há como se inscrever no Sisu, no Prouni e no Fies sem ter feito o Enem.

 

— Com apoio e orientação do professor Cristiano, do Ciep 201, e do PVC Paulo Freire, consegui passar para o curso que queria em ótimas universidades públicas. Agora, em 2024, pude colher os frutos dos esforços – comenta o estudante.

 

E ele tem todo o apoio dentro de casa, sendo exemplo para seus irmãos e todos na sua comunidade.

 

— Sou muito agradecida a Deus pelos meus sete filhos maravilhosos e muito orgulhosa pelo desempenho do Erik. Ele sempre demonstrou que seria bom nos estudos. Eu e o pai dele sempre o incentivamos a que ele se desenvolvesse nesta área. Uma vez, ainda bem pequeno, pouco depois de começar a falar, ele perguntou ao pai quando ele aprenderia a ler. Essa vontade já vem dele, e é muito legal ver essa determinação — declara Priscila Ferreira, a orgulhosa mãe de Erik.

 

Instituições de ensino públicas e privadas utilizam o Enem para selecionar estudantes. Os resultados são usados como critério único ou complementar dos processos seletivos, além de servirem de parâmetro para acesso a auxílios governamentais, como o proporcionado pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

 

— Independentemente da classe social, é possível alcançar seus objetivos com bastante esforço e dedicação. Gostaria de passar essa mensagem para todos os estudantes que sonham em estudar em uma universidade pública e dizer que, sim, é possível — conclui o estudante, já se preparando para encarar os novos desafios.

 

Não perca tempo: As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024 vão até o dia 14 de junho. Os concluintes do ensino médio em escola pública não pagam taxa de inscrição. As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro. Importante ressaltar que estudantes cadastrados no Programa Pé-de-Meia devem fazer a inscrição para não perderem o benefício. Acesse https://enem.inep.gov.br/participante e faça sua inscrição. Boa sorte.

Fotos: Jean Barreto - Seeduc-RJ

Estudantes da rede estadual ganham bolsas Roberto Rocca de Ensino Médio

Premiação de R$ 2,5 mil por aluno é um incentivo ao bom rendimento nos estudos

 

Em reconhecimento às boas práticas educacionais e ao bom desempenho no Ensino Médio, a 6ª edição das Bolsas Roberto Rocca premiou, nesta quarta-feira (12/06), em uma cerimônia na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, estudantes com idades entre 14 e 18 anos, de melhor desempenho acadêmico, entre os matriculados na rede pública de Ensino Médio e Técnico de Santa Cruz e Itaguaí. Neste ano, foram distribuídas 250 bolsas, sendo 129 destinadas a alunos de 16 escolas da rede estadual. A premiação foi de R$ 2,5 mil por aluno.

 

— Esses estudantes merecem todo o reconhecimento pelas boas práticas educacionais que realizam e pelo bom desempenho ao longo do Ensino Médio. Que continuem com este foco e, assim, teremos cidadãos cada vez mais preparados para o mercado de trabalho – destacou a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto.

Fotos: Jean Barreto - Seeduc-RJ

As Bolsas Roberto Rocca foram idealizadas para estimular, destacar, reconhecer e valorizar os alunos pelo desempenho nos estudos durante o ano letivo de 2023, contribuindo para a igualdade de oportunidades e para o progresso das regiões em que as empresas estão presentes. A ação tem como objetivo incentivar a graduação escolar, valorizar a cultura de esforço e a excelência acadêmica desses jovens. A iniciativa baseia-se nos valores de excelência, inovação, segurança e meio ambiente, transparência e trabalho colaborativo.


— Antes do Prêmio, temos que destacar a importância de projetos e parcerias como esta que a Ternium nos proporciona que focam no resultado do aluno, motivando-o não só a manter suas notas em alta como também entender seu processo avaliativo, buscar entender suas notas, seu aprendizado. Esta premiação é o início de uma grande caminhada, pelo reconhecimento e pelo aprendizado que uma vez construído não se perde jamais — disse o diretor pedagógico Cleber Luciano, da Regional Metropolitana IV.

 

Desenvolvido desde 2019 pela siderúrgica Ternium, o prêmio busca reconhecer os alunos com alto rendimento nos estudos. As bolsas são divididas em duas modalidades: Ensino Médio/Técnico e Superior. Somente no Brasil, mais de 880 premiações aos jovens de escolas e universidades da Zona Oeste e de Itaguaí, no Rio de Janeiro, já foram entregues pelo programa.

Fotos: Jean Barreto - Seeduc-RJ

O Colégio Estadual Barão do Rio Branco foi um dos destaques da cerimônia, com 29 alunos premiados pela ação. A diretora Márcia Fátima da Silva Rocha se emocionou com o excelente resultado obtido pela unidade.

 

— Todos os anos estamos presentes nesta premiação, o que nos orgulha muito, pelo bom desempenho de nossos alunos. Muitos deles acabam sendo convidados para fazer estágio na Ternium, numa parceria maravilhosa. É com muita alegria, e isso renova nossas esperanças em um mundo muito melhor — comentou a gestora.

 

A companhia investe mais de R$ 10 milhões por ano no desenvolvimento socioeconômico de Santa Cruz e região, por meio de projetos sociais, com foco em educação, que atendem a mais de 9 mil pessoas diretamente. E o destaque da Seeduc-RJ nesta parceria se torna exemplo para toda a comunidade.

 

— É hora de divulgarmos os bons resultados de nossa rede. A gente vive um momento de dinamismo muito grande, e muitas das vezes nós não conseguimos enxergar o sistema que existe por trás do produto principal da secretaria, que é oferecer conhecimento para os nossos alunos. Às vezes, esse trabalho é imperceptível, mas, sem ele, não conseguiríamos dar conta de todas as demandas. Conseguimos construir novos elos de compromisso e companheirismo — concluiu a secretária.

Fotos: Jean Barreto - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Cinco professoras da rede estadual são selecionadas para formação nos EUA

Educadoras vão participar do Programa de Desenvolvimento Profissional de Professores de Língua Inglesa nos Estados Unidos (PDPI) em 2024

 

Cinco professoras da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ) foram selecionadas para participar do Programa de Desenvolvimento Profissional de Professores de Língua Inglesa nos Estados Unidos (PDPI) em 2024. A iniciativa possibilita curso intensivo de seis semanas em uma universidade norte-americana e tem como objetivo capacitar docentes em efetivo exercício nas escolas públicas.

Joana Meirelles, de 39 anos, leciona Língua Inglesa no Colégio Estadual Marechal Zenóbio da Costa há 14 anos. Ela conta que a aprovação no PDPI é a realização de um sonho.

— Eu sempre me interessei em fazer um intercâmbio em um país de Língua Inglesa para aprimorar o idioma, porém nunca tive recursos disponíveis para realizar esse sonho. Quando fiquei sabendo desse programa, achei muito interessante a ideia proposta e decidi tentar uma vaga. E este ano, eu consegui a bolsa — comemora a professora, que ama lecionar e compartilhar conhecimento com os alunos.

Também foram selecionadas Barbara Caroline dos Santos Nogueira, do Colégio Estadual Jardim Glaucia, em Belford Roxo, Maria da Conceição Silva de Almeida, do Colégio Estadual Paulo Freire, em Cachambi, Gisele Tatiane de Oliveira, do Colégio Estadual Hélio Rangel, em Duque de Caxias, Fátima Barbosa Gomes, do Ciep 390 Chão de Estrelas, em Nova Iguaçu.

A secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto, destaca a importância de professores participarem de curso de aperfeiçoamento em outros países.

— Essas docentes nos mostram que vale muito a pena investir na educação do nosso estado. Estamos muito orgulhosos dessas profissionais. Com certeza, isso irá estimulá-las ainda mais dentro das salas de aula. E quem ganha são os nossos alunos — afirma a secretária.

Os professores selecionados terão direito a uma série de benefícios, incluindo passagens aéreas internacionais e nacionais, alojamento universitário, seguro saúde, alimentação, taxas escolares e material didático. Além disso, receberão uma ajuda de custo de 700 dólares (R$ 3783,64) e terão as taxas de solicitação de visto reembolsadas. As atividades acadêmicas ocorrerão entre os dias 1º de julho e 9 de agosto de 2024.

O programa é realizado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação (MEC), em parceria com a Embaixada dos Estados Unidos da América no Brasil e com a Comissão Fulbright.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Inscrições abertas para a contratação de professores para escolas indígenas

Edital publicado no Diário Oficial desta quinta (13/6) prevê que até 40 profissionais poderão ser contratados por tempo determinado para suprir as carências nas unidades

 

Foi publicado no Diário Oficial desta quinta-feira o edital de seleção para o processo de contratação, por prazo determinado, de professores para atuação nos anos iniciais e finais do ensino fundamental e ensino médio - para os anos letivos de 2024 e 2025 - nas unidades escolares indígenas estaduais. O governador Cláudio Castro autorizou a contratação de até 40 professores para suprir as carências nestas escolas.

 

— Os novos educadores farão toda diferença na nossa missão de compartilhar conhecimento, respeitando a individualidade de cada povo e estimulando a compreensão de diferentes realidades a partir das suas — ressaltou Cláudio Castro.

 

O decreto prevê a contratação de até 20 professores para atuação nos anos iniciais do Ensino Fundamental, e outros 20 profissionais para atuação nos anos finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio, atendendo as necessidades e cargas horárias determinadas na publicação. Estas contratações serão feitas mediante contrato administrativo de prestação de serviços com tempo determinado.

 

Segundo a secretária de Estado de Educação Roberta Barreto, a iniciativa segue o propósito de oferecer ensino de qualidade na rede e de melhoria de condições de trabalho para os professores.

 

– Sou professora e sei a importância de termos esses profissionais nas escolas. O trabalho não para por aqui. A gente sabe que será uma longa jornada, mas esse é o legado que queremos deixar – afirmou a secretária.

 

As inscrições deverão ser efetuadas exclusivamente pela internet, no endereço https://abre.ai/candidatodocenteficha. O candidato deverá imprimir o documento disponibilizado pelo sistema, referente à inscrição realizada. Em seguida, o candidato deverá, o mais breve possível, comparecer à Coordenadoria Regional de Inspeção Escolar da Regional Sul Fluminense, com toda a documentação necessária para a confirmação, incluindo os documentos comprobatórios da formação mínima necessária para exercício nas disciplinas selecionadas.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Educação do Estado do Rio de Janeiro lança campanha ‘Bora Pra Escola’

A iniciativa visa combater a infrequência e a evasão escolar

 

A Secretaria de Estado de Educação (Seeduc-RJ) lançou, nesta quarta-feira (12/06), no Palácio Guanabara, a campanha motivacional ‘Bora Pra Escola’. O lançamento aconteceu durante a 2ª reunião do Grupo Interinstitucional de Trabalho Estadual (Gite) que atua como organizador e responsável pelas atividades do pacto. O objetivo é promover efetivamente o acesso- por ingresso ou por retorno- a permanência e a aprendizagem dos alunos na escola.

A campanha integra os trabalhos que vêm sendo desenvolvidos dentro do Pacto Estadual pelo Enfrentamento às Causas da Infrequência, do Abandono e da Evasão Escolar no estado do Rio de Janeiro.

– Sabemos que a educação é transformadora e o primeiro passo na vida de todos, porque é por meio dela que chegamos às nossas conquistas e a uma formação não só intelectual, mas também como ser humano. Isso é uma prioridade nossa. Estamos todos juntos. Precisamos do apoio de todos para resgatarmos esses jovens – disse a primeira-dama Analine Castro.

Entre as ações para reduzir a evasão estão a ampliação de formação profissional, a capacitação de gestores, a premiação de boas práticas, programas de reforço em Matemática e oficinas de robótica, além de acompanhamento e avaliação da aprendizagem.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

A secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto, falou sobre o compromisso firmado com os municípios, com a sociedade civil e com órgãos da administração estadual. Ela também destacou que, a partir de agora, o ‘Bora Pra Escola’ vai agregar todas as ações do pacto.

– Estamos transformando o nome do pacto no movimento ‘Bora Pra Escola’. Vamos falar a linguagem dos alunos, nos colocando ao lado deles. Para nós, o que importa é que eles estejam na escola. A campanha tem que ser uma onda, que envolva a sociedade e chegue no seio da família. A família tem que entender que a educação é o grande processo de transformação social e que uma melhoria de qualidade de vida tem que passar pela construção de uma educação de qualidade – destacou a secretária.

Roberta Barreto ressaltou ainda a importância da mobilização de outras áreas governamentais para que a campanha tenha êxito.

– Chegamos a um determinado momento em que é necessário mobilizar outros poderes, porque o impacto social da criança fora da escola não tem como ser tangível. Nós não conseguimos definir o que isso pode causar na vida da família e do ser humano, no seu próprio projeto de vida. O Governo do Estado do Rio de Janeiro, a pedido do governador Cláudio Castro, começa também a construir essa política pública de permanência na escola que perpassa por todas as ações de gestão de ensino que a Seeduc tem feito – afirmou a secretária.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Durante a reunião, foram apresentadas as linhas gerais da pesquisa Sesi/Firjan, sobre as cinco principais causas da evasão do Ensino Médio no Brasil, além da sua proposta de contribuição no Rio de Janeiro, e também a do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) sobre a construção da operacionalização da Busca Ativa Escolar com equipes de campo das secretarias estaduais de Educação (Seeduc-RJ), de Saúde (SES), e de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (SEDSDH). O grupo apresentou ainda a agenda anual de ações do Pacto/Bora Pra Escola e os balizadores estratégicos para as metas estabelecidas no mesmo.

Estiveram presentes ao evento representantes das secretarias de Estado de Cultura e Economia Criativa, de Saúde, de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, e da Mulher; do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ); do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE); da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan); do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef); da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) entre outros órgãos.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Alunos da rede estadual se classificam para Olimpíada Internacional de Matemática na Coreia do Sul

Desempenho de equipes em competições nacionais foi determinante para garantir a vaga

 

 

Mais uma vez, os estudantes do Colégio Estadual Marechal Zenóbio da Costa, em Nilópolis, na Baixada Fluminense, estão classificados para a Olimpíada Internacional de Matemática. Este ano, a competição será realizada na Coreia do Sul, entre os dias 27 e 31 de julho. A classificação foi obtida após duas equipes, com seis integrantes cada uma, alcançarem bom desempenho na Olimpíada Canguru da Matemática e na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP).

 

Fernando Rocha, professor e coordenador do projeto Sala de Aula Invertida, com metodologia de aprendizagem de Matemática baseada em desafios, comemorou o resultado.

 

— Nossa equipe está de parabéns por mais este excelente resultado. Esta vaga atesta a eficácia do projeto. Agora, nossos alunos irão disputar o título com escolas públicas e particulares de todo o Brasil e do mundo — destacou o professor.

 

O grupo que vai representar o Brasil na Coreia do Sul conquistou 17 medalhas nas duas competições, com sete ouros na Olimpíada Canguru da Matemática, além de premiações na OBMEP em 2023. Além disso, três estudantes do grupo classificado participaram da Olimpíada Internacional em Nova York, também no ano passado, e trouxeram o bronze para o Brasil.

 

— Essa competição é muito importante para nós, alunos. Decidi competir graças aos meus professores, Fernando Rocha e Aline Cottis. Eles reúnem aqueles que querem estudar mais e, em turno extra, intervalos, nos preparam para disputas como essas — contou Yasmim Caldas, medalhista de bronze.

 

Elaine Dantas, diretora-geral do Colégio Marechal Zenóbio, expressou a felicidade pela classificação.

 

— Parabéns a esses estudantes que com propósito, foco e determinação se classificaram para disputar com equipes de todo o mundo. Esse resultado prova que os nossos alunos são grandes protagonistas da educação pública —comemorou a diretora.

 

Saiba mais sobre a competição

 

A Asia International Mathematical Olympiad Open Contest é uma iniciativa conjunta de três das melhores instituições internacionais dedicadas a estimular o ensino da Matemática: Asian Mathematical Olympiad Union, The China Education Research Association e The Hong Kong Mathematical Olympiad Association. A competição tem o objetivo de estimular o interesse pela Matemática e promover a melhoria do seu aprendizado. Atualmente, a olimpíada conta com a participação anual de 13 países ou regiões do mundo.

 

Aline Cottis, também professora de Matemática do projeto, explica que, como as provas serão em inglês, os alunos estudarão com todo o material no idioma.

 

— Eles foram preparados em tempo recorde, foi um desafio e um sonho. A experiência será grande e servirá de motivação para os demais colegas — disse a Aline.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Escola estadual de Nilópolis realiza projeto que ajuda alunos a definirem profissão

Estudantes participam de diversas palestras em áreas como Administração, Engenharia, Marketing e Jornalismo

 

Um projeto que dá a oportunidade de conhecer e depois optar por uma carreira após o término do Ensino Médio. Por meio do ‘Conhecer para Escolher’, o Colégio Estadual Marechal Zenóbio da Costa, em Nilópolis, na Baixada Fluminense, tem ajudado os estudantes a definirem a área do mercado de trabalho que querem seguir. A iniciativa tem o objetivo de mostrar cursos universitários, incentivar o futuro profissional, possibilitar a troca de experiência entre os alunos e estimular a entrada de jovens no Ensino Superior.

Desde abril, os alunos estão tendo a chance de conhecer mais profissões e tirar suas principais dúvidas durante a realização de palestras sobre áreas como Administração, Jornalismo, Física, Publicidade, Marketing e Recursos Humanos.

— Trazer profissionais de diversas áreas faz com que os estudantes do nosso colégio criem inspirações para conseguirem tomar decisões acerca de seu futuro — destacou Aline Teodoro, professora de Matemática que desenvolveu o projeto.


Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Para o aluno Juan Oliveira, da 3ª série do Ensino Médio, a iniciativa inspira e mostra que só depende dele.

— O futuro parece ser assustador, mas o projeto ‘Conhecer para Escolher’ tem sido uma ótima forma de nos guiar e definir nossos próximos passos — disse o aluno.

De acordo com a professora Aline, no início, os alunos estavam tímidos, mas agora já fazem lista com os nomes das profissões que desejam se aprofundar.

— O ‘Conhecer para Escolher’ reacendeu meu desejo de cursar Psicologia. Pedi aos professores, que se comprometeram em trazer um profissional da área. Estou esperando ansiosamente para que esta palestra aconteça — relatou a aluna Isabella Querido, da 3ª série do Ensino Médio, que acredita que dentro de cada estudante há medo do futuro e de não saber qual faculdade fazer.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Migração: Prazo de inscrições é prorrogado até 10 de junho

Publicação no Diário Oficial desta segunda-feira (27/05) também permite a retificação dos dados cadastrados a partir do dia 05/06



Atenção, professores! Foi publicado nesta segunda-feira (27/05) uma resolução que prorroga o prazo de inscrição para migração voluntária da jornada de trabalho do Professor Docente I, de 18h para 30 horas, em caráter definitivo. Os interessados poderão se inscrever até o dia 10 de junho, pelo site (clique aqui). Outra novidade é que a resolução permitirá que todos os candidatos inscritos editem as informações cadastradas no período de 5 a 10 de junho de 2024.

 

O servidor que escolher fazer a migração terá assegurado todos os benefícios relativos à jornada de 30 horas semanais em sua carreira, como aposentadoria e vencimentos proporcionais à nova jornada. A mudança não será obrigatória, e o cargo de Professor Docente I não será extinto.

 

A transição está sendo feita por etapas, conforme cronograma e regras publicadas via resolução em Diário Oficial. Entre elas, estão a análise de pontuação do servidor, o exercício de GLP (Gratificação por Lotação Prioritária) e o tempo de ingresso nos quadros da Seeduc, além da carência de professores por disciplina.

 

— Essa resolução demonstra o compromisso que o governo tem com os docentes. E, atendendo a vários pedidos que estamos recebendo, abrimos um período para retificação dos dados dos inscritos, para que possam fazer todos os ajustes. Seguiremos trabalhando para valorizar ainda mais a carreira do magistério — afirmou a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto.

 

O regime de 30 horas semanais deverá ser cumprido na forma de 20 horas de efetiva regência, acrescida de 10 horas de planejamento e estudo, seguindo assim a Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Também não haverá prejuízo na progressão para os que optarem pela troca do regime, sendo assegurada a manutenção do nível e referência que se encontravam antes da migração, conforme Plano de Carreira do Magistério, bem como será mantida a classificação do docente na unidade escolar para efeito de alocação nas turmas e turnos.

 

Os docentes interessados em migrar a jornada de trabalho de 18h para 30 horas semanais devem acessar o site (clique aqui) e seguir o passo a passo. A plataforma, que entrou no ar nesta manhã, estará disponível até as 23h59 do dia 10 de junho.

 

 

 

Cronograma migração 18h para 30h

 

Período de inscrições: até 10 de junho

 

Divulgação da listagem classificatória no site: 17 de junho

 

Início dos procedimentos migratórios: 24 de junho

Fotos: Bruno da Matta - Seeduc-RJ

Gestores participam de congresso que apresentou e debateu novas soluções educativas

Alunos do Colégio Estadual Hebe Camargo levaram suas criações na área da robótica e mesa interativa destinada à educação especial provocou interesse do público presente

 

Neste sábado (08/06), educadores da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro (Seeduc Rj) participaram do Congresso EducaAtiva realizado no pavilhão da ExpoMag, no Centro do Rio. O evento reuniu profissionais da educação visando a troca de conhecimento, o acesso a novas soluções educacionais e a participação em palestras e discussões de temas atuais e relevantes para a educação básica.

Para a secretária de Roberta Barreto o evento é uma oportunidade para diretores e coordenadores conhecerem novas soluções em diversas áreas do ensino.

– É muito importante agregarmos valores à gestão do ensino da rede estadual. Os nossos gestores também são empreendedores e têm autonomia pedagógica e administrativa para investirem na melhoria da qualidade do ensino das suas unidades escolares. Por isso, participar de encontros como esse pode ser um diferencial nas escolhas dos itinerários que a escola pública também percorre.

Fotos: Bruno da Matta - Seeduc-RJ

O estande da Seeduc-RJ recebeu os profissionais de ensino da rede e contou com a presença de alunos que integram o Clube de Robótica do Colégio Estadual Hebe Camargo, em Pedra de Guaratiba. A unidade oferece o ensino médio integrado ao curso técnico de telecomunicações. O grupo exibiu para o público presente duas das suas criações, o Fliperama e o Espelho Informativo Digital. O Fliperama é um projeto que combina diversão e aprendizado, permitindo que os alunos desenvolvam suas habilidades em programação e eletrônica de forma lúdica e interativa. Já o Espelho Informativo Digital é uma ideia que representa a aplicação prática de tecnologia no cotidiano, proporcionando informações úteis e relevantes de maneira acessível e moderna.

– Este congresso é uma excelente plataforma para compartilharmos nossos projetos inovadores e mostrarmos o talento e o esforço de nossos jovens, além de fortalecer o vínculo entre a educação e a inovação tecnológica – disse o professor Paulo Sérgio Farias, que coordena o grupo.

Integrante do Clube, Luana Clarice Mororo,17 anos, explicou como o fliperama foi criado e mostrou os seus recursos.

 – Na primeira série, eu participei de projetos ligados ao meio ambiente, criando peças com material reciclado. Na segunda, entrei para o clube de robótica e estou gostando muito – contou a estudante que pretende cursar engenharia eletrônica.

Fotos: Bruno da Matta - Seeduc-RJ

Outra mostra do que a rede pública de ensino do estado vem fazendo na área tecnológica para contribuir com o aprendizado dos seus estudantes ficou por conta da equipe da superintendência de Projetos para Educação Especial que levou uma das 350 mesas interativas que a rede recebeu e que conta com recursos como jogos, livros digitais, clipes musicais e desenhos animados para auxiliar os alunos da educação especial. São diversos recursos disponíveis, tudo validado por especialistas e alinhado com a Base Nacional Comum Curricular. A estrutura da ‘playtable’ conta com jogos alicerçados na fonoaudiologia e em metodologias específicas para crianças com autismo, síndrome de Down, surdos, entre outros, tanto para o uso clínico quanto para o trabalho de inclusão nas escolas. Sua metodologia é baseada no lúdico: jogos com temáticas cativantes para uma rotina prazerosa, beneficiando crianças de várias faixas etárias.

Para o superintendente Daniel Bove, a aquisição tecnológica, já disponível nas salas de recursos das escolas da rede, vai auxiliar os educadores nas conexões necessárias ao processo ensino aprendizado.

– Ela traz os nossos componentes curriculares em formato de game e transforma o ‘jogar’ em números, quantificando e promovendo a análise de diversos dados, deixando bem clara a evolução do aluno. Esse é o grande ganho para a educação. O professor vai entender a evolução do aluno no dia a dia, auxiliado por uma plataforma e gráficos. Vai poder comprovar o que ele já está percebendo por meio da sua avaliação e experiência profissionais.

Após uma manhã de palestras com convidados, os participantes puderam optar por vários encontros para discutir diferentes temas educacionais.

Fotos: Bruno da Matta - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Encontro entre educadores apresenta a 5ª edição da LER – Festival do Leitor

Evento acontece de 24 a 28 de junho, no Píer Mauá, na Zona Portuária do Rio

 

Um encontro muito especial entre educadores de todo o estado nesta sexta-feira (07/06), na Sala Cecília Meirelles, na Lapa, marcou o lançamento da 5ª edição da LER – Festival do Leitor, que acontecerá no Píer Mauá, Zona Portuária do Rio, de 24 a 28 de junho. A iniciativa foi um momento de sensibilização com representantes das escolas relacionadas para o evento, que é um encontro sobre livros e ideias em que cada visitante se sente parte integrante dessa experiência. O evento contou com a presença da renomada escritora e ativista Conceição Evaristo.

 – Esta nova etapa, que chamo de segunda trilha, é mais uma bela oportunidade de promoção de leitura. É isso que a Secretaria de Educação quer: levar para a escola, para cada um de nossos alunos, a certeza de que esta promoção precisa acontecer. Lá, é um momento de encontrar e se confraternizar com muita gente boa, apaixonados pela leitura, pessoas que incentivem este hábito, que deve estar presente na vida de todos.  Precisamos disseminar essa paixão. Algo que só quem ama ler consegue transmitir. Cada vez que um de nossos estudantes entende que um novo mundo é possível, nos incentiva a fazer cada vez mais e melhor – declarou Myrian Medeiros, subsecretária de Planejamento e Ações Estratégicas da Secretaria de Estado de Educação.

Consolidada na cena literária, a LER – Festival do Leitor chega à sua 5ª edição, firmando-se como o maior evento literário do país, sendo um movimento inovador, com o foco na exposição e na troca de conhecimento, que promove o encontro de todos os agentes que fazem parte da cadeia produtiva do livro. Com debates de diferentes assuntos entre as mais variadas personalidades, o grande objetivo do evento é despertar a paixão pela leitura, oferecendo diversas atividades em diferentes linguagens, para que cada visitante que passe pelo circuito se sinta motivado a ler e descobrir novos livros.

 – Este é um festival que une literatura e educação, com foco na formação do leitor e em despertar a paixão pela leitura, principalmente nos estudantes. Levaremos experiências literárias e culturais a alunos e professores, para que eles possam ter um contato ainda mais forte com os livros – afirmou Bruna Reis, diretora executiva da LER.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Em 2022, o festival foi considerado Patrimônio Imaterial do Estado do Rio de Janeiro. Nesta edição, serão mais de 1.600 artistas, autores e ilustradores participando do evento, em mais de 100 palcos, espaços e experiências, distribuídos em 60 mil metros quadrados de área nos galpões do Píer Mauá. A expectativa é que mais de 250 mil pessoas visitem o evento.

– Nossos alunos valorizam muito este evento. Ter acesso a livros e toda essa parte cultural desenvolvida na LER é maravilhoso. Todas as atividades propostas estão dentro da realidade deles. É um momento especial, e nossos estudantes fazem questão de estar presentes – disse a diretora pedagógica Elizabeth Cavalo, da Regional Metropolitana VI.

O evento de lançamento contou com a presença da consagrada escritora mineira Conceição Evaristo. Romancista, contista e poeta, ela é também pesquisadora na área de literatura comparada e foi professora na rede pública fluminense. Sua matéria-prima literária é a vivência das mulheres negras, e seu trabalho tem por base reflexões sobre as profundas desigualdades raciais brasileiras.

Para o movimento pós-modernista no Brasil, ela se tornou uma das mais influentes personalidades, contribuindo ricamente para os gêneros da poesia, romance, conto e ensaio. Membro da Academia Brasileira de Cultura e da Academia Mineira de Letras, Conceição é autora de livros marcantes como ‘Ponciá Vicêncio’, ‘Olhos d’água’, ‘Becos da memória’ e ‘Insubmissas lágrimas de mulheres: (contos)’, entre outros.

– A liberdade que a escrita me deu foi a liberdade de invenção. Invenção a partir de carência, a partir do desejo ou a partir da satisfação, possibilidade de estar inventando a partir do que a vida oferece ou do que a vida me nega. Minha escrita criativa ou crítica é experiência de mulher negra. Sou professora. O meu primeiro lugar de recepção foi na escola. Nós, educadores, temos uma experiência muito grande com a diversidade de nossos alunos na sala de aula. E há lugares que a literatura hoje me leva que eu não chegaria. A literatura tem sido meu passaporte. Temos de nos apropriar das nossas histórias. Se não as contarmos, ficarão esquecidas – comentou a escritora, emocionada com a ação de lançamento do festival.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

A LER é um encontro sobre livros e ideias diferentes: acolhedor e estimulante, reunindo autores, livrarias e editoras, com ações diferenciadas como peças, exposições, tecnologia e música. Um evento criado para elevar a paixão pela leitura desde a infância até a fase adulta, totalmente interativo, que reúne todos os agentes da cadeia produtiva do livro no universo da economia criativa, fortalecendo os micros, pequenos e médios empresários do setor, trazendo e trocando conhecimentos. Neste universo literário, os leitores passam por toda a experiência da leitura, das oficinas de escrita às conversas com escritores.

– Nós acreditamos muito nas possibilidades vindas de eventos como este. Estamos muito felizes com a certeza do sucesso desse projeto. A leitura abre portas e transforma vidas – finalizou a subsecretária Myrian Medeiros.

Marque na Agenda:  A 5ª edição da LER será realizada de 24 a 28 de junho de 2024, no Píer Mauá (Av. Rodrigues Alves 10, Praça Mauá), com uma ampla programação, reunindo diversas atividades que enriquecerão a troca de conhecimento durante os 5 dias de evento.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Foto: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Secretaria de Educação e Centro de Educação Física da Marinha firmam parceria para estimular o esporte no contraturno escolar

Programa realizado em dois turnos oferece mais 20 modalidades esportivas para os alunos da rede estadual

 

Estudantes da rede estadual de ensino terão acesso a mais de 20 modalidades esportivas, atividades culturais, cursos profissionalizantes e preparatório para concursos públicos, reforço escolar e acompanhamento psicológico. Esses benefícios estão sendo oferecidos pelo Programa Forças no Esporte (PROFESP), da Marinha do Brasil, nas dependências do Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes (Cefan). A parceria foi fechada pela secretária de Estado de Educação do Rio de Janeiro, Roberta Barreto, e pelo almirante e comandante, Cláudio Leite, do Cefan, durante cerimônia no Centro de treinamento, na Penha, Zona Norte do Rio. O contrato firmado tem objetivo de ampliar o programa e democratizar o acesso à prática esportiva, visando a redução dos riscos sociais para alunos da rede estadual.

O programa realizado em dois turnos, matutino e vespertino, conta com mais de 20 modalidades esportivas como natação, atletismo, futsal, futebol de campo, jiu-jítsu, boxe, voleibol, judô, taekwondo, karatê, remo escaler, remo costal, canoa havaiana e futevôlei.

— Em nome do Governo do Estado do Rio de Janeiro, queremos agradecer pela parceria e parabenizá-los pelo trabalho lindo que é desenvolvido. Essa formalização vai agregar ainda mais na vida dos nossos estudantes, que podem usar as dependências do Cefan durante o contraturno da escola para a prática esportiva — destacou a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto, acrescentando que a Seeduc também irá ceder professores da rede estadual para o programa.

A iniciativa é uma vertente do Programa Segundo Tempo do Governo Federal, desenvolvido pelo Ministério da Defesa com o apoio da Marinha, Exército e Aeronáutica e em parceria com os ministérios do Esporte e do Desenvolvimento Social e a Secretaria Nacional de Juventude.

Foto: Sandra Barros - Seeduc-RJ

O almirante Cláudio Leite, do Cefan, acredita que a assinatura do acordo é só o início de um grande trabalho.

— Essa parceria com a Secretaria de Estado de Educação será muito importante para o Programa Força no Esporte aqui do Cefan. Com isso, nós poderemos expandir ainda mais nossas atividades – afirmou o almirante.

As atividades oferecidas no programa dividem-se entre esportivas, culturais; serviço de convivência e fortalecimento de vínculos; cursos profissionalizantes e preparatório para concursos públicos; reforço escolar; e acompanhamento psicológico.

Pedro Henrique Fernandes, de 17 anos, aluno do Colégio Estadual Mato Grosso, em Vista Alegre, na Zona Norte do Rio, faz parte do programa.

— Sou atleta de karatê. Com a prática do esporte comecei a ser mais disciplinado e responsável. Esta iniciativa transformou minha vida — contou o jovem, que é medalhista de bronze no Campeonato Estadual de Karatê em 2024.

Já para a estudante Jayannny Nascimento, de 16 anos, do Colégio Estadual Olga Benário Prestes, em Bonsucesso, também na Zona Norte, o acordo entre a Seeduc e o Cefan vai alcançar ainda mais jovens de comunidades.

Foto: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Governador autoriza contratação de professores para escolas indígenas

Decreto prevê que até 40 profissionais poderão ser contratados por tempo determinado para suprir as carências nas unidades

 

O governador Cláudio Castro autorizou a contratação de até 40 professores para suprir as carências nas unidades escolares estaduais indígenas. A medida foi publicada no Diário Oficial desta quinta-feira (06/06). Os contratos serão feitos por período de tempo determinado, estritamente necessário ao atendimento dos anos letivos de 2024 e 2025.

— Os novos educadores farão toda diferença na nossa missão de compartilhar saberes, respeitando a individualidade de cada povo e estimulando a compreensão de diferentes realidades a partir das suas — ressaltou Cláudio Castro.

Segundo a secretária de Estado de Educação Roberta Barreto, a iniciativa segue o propósito de oferecer ensino de qualidade na rede e de melhoria de condições de trabalho para os professores.

– Sou professora e sei a importância de termos esses profissionais nas escolas. O trabalho não para por aqui. A gente sabe que será uma longa jornada, mas esse é o legado que queremos deixar – afirmou a secretária.

O decreto prevê a contratação de até 20 professores para atuação nos anos iniciais do Ensino Fundamental, e outros 20 profissionais para atuação nos anos finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio, atendendo as necessidades e cargas horárias determinadas na publicação.

Estas contratações serão feitas mediante contrato administrativo de prestação de serviços com tempo determinado. A Secretaria de Estado de Educação (Seeduc-RJ) já está realizando todos os trâmites necessários para que, o quanto antes, seja publicado o Edital do Processo Seletivo Simplificado (PSS) e iniciar todo o processo.

Foto: Jean Barreto - Seeduc-RJ

I Feira de Iniciação Científica e Tecnológica da rede estadual movimenta centenas de alunos em disputa de projetos sustentáveis

Secretária Roberta Barreto quer levar os projetos para fórum econômico mundial (G20)

 

Jogos de computador que incentivam a reciclagem de lixo, robôs feitos com materiais reaproveitados e protótipos de barco movido à energia solar. Esses e outros projetos sustentáveis foram desenvolvidos por estudantes da rede estadual do Rio de Janeiro e apresentados, nessa quarta-feira (05/06), durante a 1ª Feira de Iniciação Científica e Tecnológica - ExpoTech, em Petrópolis, na Região Serrana. O evento contou com a presença de 26 escolas de todas as regiões fluminenses, que levaram para a feira experimentos científicos virtuais e físicos, aplicativos, artefatos robóticos, jogos, maquetes, materiais tecnológicos e sustentáveis.

A ExpoTech usou como base o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 13, um dos 17 estabelecidos pela Assembleia Geral das Nações Unidas e que trata de ações contra a mudança climática. Nesse sentido, estudantes tiveram que apresentar projetos para um mundo melhor e mais sustentável em uma disputa com direito a premiações que iam de medalhas a eletrônicos como smartwatches, dispositivos alexas e smartphones.

Cada equipe era composta por um professor orientador e quatro alunos de diferentes séries e, ao longo do dia, participaram de palestras, mostras e exposições, além de trocar experiências com outros alunos da rede. 

A secretária Roberta Barreto elogiou a grandiosidade do evento e se propôs a levar a ideia para os organizadores do G20 - principal fórum de cooperação econômica internacional do mundo, que acontecerá no Rio, em novembro deste ano. A ideia da professora é conseguir um dia de exposições na Casa de Cultura Laura Alvim (A Casa G20), em Ipanema, na Zona Sul do Rio, para que, por meio da imprensa internacional que cobrirá o evento, os estudantes possam expor seus projetos diante do mundo todo.

— Vim conferir de perto as iniciativas dos estudantes para conscientização, educação ambiental e mudança climática e estou perplexa com tanto engajamento. Não foi apenas do estudante e do professor, mas de toda a comunidade escolar.  São tantos projetos incríveis que a ExpoTech deve ocorrer mais vezes e em outros lugares, inclusive vou tratar com a Cúpula do G20 para termos um dia inteiro na Casa de Cultura Laura Alvim. Eles merecem — afirmou a gestora.

Foto: Jean Barreto - Seeduc-RJ

Premiação

O final da tarde chegou e com ele o grande momento, a hora da premiação. Em meio a sorrisos, lágrimas e muita emoção, três escolas chegaram à final: o Instituto de Educação Sarah Kubitschek, de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, que desenvolveu um jogo de computador para incentivar os jovens a reciclarem o lixo; Colégio Estadual Marechal Zenóbio da Costa, de Nilópolis, na Baixada Fluminense, que apresentou robôs feitos com materiais reaproveitados; e Ciep 218 - Ministro Hermes Lima (Intercultural Brasil-Turquia), de Duque de Caxias, também na Baixada Fluminense, que levou um protótipo de barco movido a energia solar.

Após a grande tensão gerada à frente do público que lotava o auditório, o cobiçado 1º lugar foi anunciado e o grande vencedor foi o I.E. Sarah Kubitschek, premiado com um smartphone para cada aluno. A unidade foi seguida pelo C.E. Mal. Zenóbio da Costa, premiado com aparelhos alexas e do 3º colocado, o Ciep 218, que levou pra casa os smartwatches.

Kenvin Moreira, um dos alunos vencedores do grupo do I.E. Sarah Kubitschek, contou os momentos finais da premiação.

— Nós acreditamos no projeto desde o início, mas eu fiquei muito nervoso. Quando anunciaram o vencedor a emoção foi sem fim, estou tremendo até agora. Estou muito feliz e vou contar pra minha mãe e pra minha família. Nem em Petrópolis eu tinha vindo ainda e agora volto pra casa com muito aprendizado, inclusive de outros projetos. Nos divertimos bastante — afirmou o jovem medalhista.

Todos os participantes das demais escolas também conquistaram medalhas pelos incríveis projetos apresentados. O sucesso da feira também foi motivo de orgulho para a subsecretária de Gestão de Ensino, Joilza Rangel.

— Vimos estudantes emocionados e diversas propostas tão boas que não tem como não se emocionar. Mesmo com mais de 46 anos de magistério, a cada dia me encanto mais com nossos alunos. Ter essa a oportunidade de transformar a vida desses jovens com um estado mais produtivo e mais sustentável é maravilhoso — afirmou a professora.

Foto: Jean Barreto - Seeduc-RJ

Sala Maker e aulas de robótica

Além da questão climática, extremamente importante nos dias de hoje, a ExpoTech se tornou o resultado de um grande investimento da Secretaria de Estado de Educação, as Salas Makers e as aulas de robótica.

Essas salas são espaços de criação que foram instalados em todas as 1.232 escolas da rede e equipadas, em 2022, com equipamentos de última geração, como canetas e impressoras 3D, óculos de realidade virtual, materiais de robótica e automação, entre outros. Nelas, os estudantes aprendem fazendo, seja com auxílio de professores de exatas, como Física e Matemática ou com suas próprias ideias.

Por meio da iniciativa, os alunos desenvolvem habilidades sobre programação, automação, jogos digitais e físicos, entre diversas outras ações. Com o advento das Salas Makers e aulas de Robótica, o ensino na rede estadual deu um verdadeiro salto, como explica o professor de Física e de Robótica do C.E. Marechal Zenóbio da Costa, Diogo Silva, que viu seus estudantes conquistarem o 2º lugar na disputa.

— Os alunos eram resistentes à aula teórica, mas agora que eles podem colocar a mão na massa e usar uma nova tecnologia, encontramos vários jovens com potencial que antes não eram vistos. Quando o estudante se vê envolvido no projeto e fazendo algo com as próprias mãos ele se sente importante. Hoje eu vejo muito mais engajamento nas aulas — contou o docente.

Apesar do sabor da conquista dos primeiros lugares da ExpoTEch ser para poucos, todos os alunos são vencedores, tendo superado desafios como ideias, prazos, resolução de problemas em grupo, estudos e muita dedicação. Ao final, além da rica experiência, os estudantes e professores puderam voltar para suas casas com a sensação de dever cumprido e mais capacitados para novas disputas. A Seeduc acredita em um ensino de qualidade e a ExpoTech se provou mais um exemplo do compromisso do Governo do Estado com a educação fluminense.

Foto: Jean Barreto - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Secretária se reúne com deputados e comunidade local para criação de um novo colégio em Realengo

O bairro de Realengo, na Zona Oeste do Rio, pode ganhar uma nova unidade de ensino, em 2025, graças a revitalização do antigo Colégio Souza Lima, unidade privada que ficou fechada por cerca de 18 anos, até ser adquirida pelo Governo do Estado, em 2023. Para discutir o futuro do imóvel, na noite desta segunda-feira (03/06), a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto, esteve no bairro e ouviu as sugestões da comunidade para uso do espaço.

Compondo a mesa ao lado do deputado estadual Márcio Gualberto, da deputada federal Chris Tonietto, da presidente da Fundação de Apoio à Escola Técnica - Faetec, Caroline Costa, e de outros servidores públicos, a secretária e os demais discutiram o assunto com os presentes.

Além do Ensino Médio regular ou cívico-militar, ambos ofertados pela Seeduc, também foi levantada a ideia da Faetec ofertar o Ensino Médio técnico. Essas e outras propostas da população foram ouvidas pela mesa e debatidas na presença de todos os presentes.

Por hora, o objetivo é a revitalização do complexo, que se encontra muito avariado após anos de abandono. A Seeduc determinou uma inspeção estrutural e a empresa responsável já confirmou que a estrutura geral está boa e com isso o local não precisará ser demolido. Além disso, os projetos arquitetônicos e estruturais já foram aprovados, bem como os projetos de construção da cobertura da quadra.

De acordo com a secretária, a primeira etapa das obras deve iniciar no final de junho, mas como a estrutura está muito danificada, as intervenções devem durar, pelo menos, até o início do ano. Em paralelo, a o grupo discute qual tipo de ensino será ofertado, como explica a gestora.

— O governador sempre nos manda ouvir o povo. Enquanto a obra não fica pronta, queremos saber da população qual o tipo de ensino que ela gostaria que fosse ofertado. A Seeduc quer entregar uma estrutura de qualidade, climatizada, com acessibilidade e cumprindo todas as normas vigentes. Além disso, o mobiliário já foi comprado e está devidamente guardado e vamos trabalhar para abrir as matrículas para 2025, ainda este ano — afirma a professora Roberta Barreto.

Com o início da primeira etapa das obras, um vigia irá cuidar do patrimônio, além do apoio da Polícia Militar no reforço do patrulhamento no entorno, a fim de evitar avarias e furtos. Já quanto à escolha do ensino, o deputado Gualberto lembrou ao público que a escolha partirá dele.

— Realengo é um bairro muito expressivo e importante, queremos ouvir vocês em pé de igualdade, sem títulos, sem formalidade. São vocês que irão decidir o futuro desse espaço. A secretária veio aqui de coração aberto para ouvir vocês — declarou o deputado.

De acordo com a deputada Chris Tonietto, independente do ensino ofertado a meta é ter uma unidade de qualidade.

— Queremos entender a necessidade deles e, por meio da Secretaria de Educação, ajudar as pessoas para que possamos fazer uma escola de qualidade e segura, ainda que seja preciso destinar recursos, seja para uma Faetec ou uma escola regular — disse a parlamentar.

Por meio do diálogo e da união entre os entes, o ensino público vai ganhando mais espaço em Realengo. Agora, as equipes técnicas farão a revitalização do colégio no menor tempo possível, gerando mais vagas de ensino na região e ampliando a capacitação de nossos jovens.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Ex-alunas da rede estadual viajam para conhecer a sede da Nasa nos Estados Unidos

As duas jovens fizeram parte da equipe que teve projeto premiado no Desafio Internacional de Aplicativos Espaciais da Nasa (Space Apps)

 

 Duas ex-alunas do Colégio Estadual Dôrval Ferreira da Cunha, em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, viajaram, esta semana, para os Estados Unidos para vivenciarem uma experiência incrível e realizarem um sonho de criança: conhecer a sede da Nasa, em Washington. As jovens foram premiadas com o projeto mais inspirador do Desafio Internacional de Aplicativos Espaciais da Nasa (Space Apps), edição 2023.

Larissa Vargas e Sara Jhenyfer Soares integram um grupo formado por cinco estudantes, que fazem parte do curso de aprendizagem da Firjan Senai São Gonçalo e tiveram seu projeto ‘Eclipse: Celestial Shadows’ premiado. O trabalho explica como ocorrem os eclipses e por qual motivo apenas algumas pessoas conseguem vê-lo, em um determinado momento. A competição teve 60 mil participantes de 152 países. Além da viagem, elas receberam título e medalha.

— Estou extremamente animada e consciente do nosso papel e da representatividade em sermos mulheres brasileiras, estudantes da rede estadual de ensino, falando da relevância da educação e da ciência em outro país — contou Larissa, de 18 anos, horas antes de pegar o voo em busca da realização do seu sonho.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Já Sara Jhenyfer, de 21 anos, agradeceu ao ensino público pela oportunidade.

 — Eu me sinto muito feliz.  Isso demonstra a nossa capacidade e a importância do aprendizado — orgulhou-se Sara.

 As cinco representantes do Brasil participam do programa Jovem Aprendiz da B. Braun Brasil. A criação de projetos e a participação em competições diversas fazem parte do programa de atividades extracurriculares, complementando a formação de assistente administrativo.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Estado do Rio firma parceria com multinacional para capacitar estudantes do Morro da Previdência para o mercado de energia

Acordo entre a Secretaria de Educação e a Equinor criou o projeto Bem-te-vi, que vai beneficiar 650 alunos do Colégio Estadual Reverendo Hugh Clarence Tucker

 

Uma parceria entre a Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) e a multinacional norueguesa de energia Equinor vai beneficiar cerca de 650 alunos do Colégio Estadual Reverendo Hugh Clarence Tucker, unidade da região central do Rio, na Providência. A secretária da pasta, Roberta Barreto, e a presidente da empresa, Veronica Coelho, se encontraram no colégio, nesta terça-feira (04/06), para assinatura do acordo que cria o projeto Bem-te-vi, na unidade.

O Projeto Bem-te-vi começou com 40 estudantes do Ensino Médio que estão realizando atividades formativas com foco em sustentabilidade, transição energética, treinamentos direcionados a habilidades socioemocionais e aulas de inglês, chegando à marca de 650 até 2030. Após formados, os alunos receberão capacitações voltadas ao mercado de trabalho e bolsas de estudos para cursos técnicos ou pré-vestibular.

A parceria com o Governo do Estado do Rio de Janeiro, por meio da Seeduc, é a primeira iniciativa da empresa voltada para educação no Brasil, um importante passo para a entrada dos jovens no mercado, como explica o governador Cláudio Castro.

— Essa parceria é muito importante. Em um mundo tecnológico, nossos jovens precisam cada vez mais de qualificação profissional. Preparar os nossos estudantes para o mercado de trabalho é uma forma de proporcionar a eles mais oportunidades e também mão de obra qualificada para um setor em crescimento como o de energia — afirma o chefe do Executivo.

No Brasil há mais de 20 anos, a Equinor é uma empresa internacional de energia que atua nas áreas de petróleo, gás, energias renováveis e soluções de baixo carbono, sendo a principal operadora na plataforma continental norueguesa e a maior fornecedora de gás para a Europa.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

A secretária Roberta Barreto discursou no evento e reiterou o compromisso da secretaria com uma educação pública de qualidade, objetivo que vem sendo alcançado com parcerias como estas.

— Essa iniciativa vai contribuir para tornar a escola mais atrativa para os jovens, reduzindo a evasão escolar e melhorando a empregabilidade. Ela reforça o nosso compromisso com a qualidade da educação — destaca a secretária.

A presidente da empresa, Veronica Coelho, fez questão de lembrar que nasceu no interior do estado e foi aluna da rede estadual. Para ela, a educação foi a grande responsável pelas mudanças em sua vida e em sua carreira profissional e fica feliz em ver que a Equinor irá contribuir para mudar a vida de outros jovens também.

— Para nós, gerar valor local é contribuir, por meio dos negócios e iniciativas de nossa empresa, para o desenvolvimento da sociedade. O projeto Bem-te-vi é a realização do nosso propósito de transformar recursos naturais em energia para as pessoas e progresso para a sociedade. Estamos muito felizes em começarmos essa iniciativa e esperamos poder disponibilizar as ferramentas necessárias para que jovens talentos, como os daqui, possam alcançar suas ambições de carreira - declarou a executiva.

Além de preparar estudantes para serem possíveis candidatos para o mercado de energia, a iniciativa pretende também estabelecer conexões entre os alunos formados e as vagas de emprego disponíveis no mercado. Desta forma, por meio da educação, espera-se contribuir para um aumento de renda e da melhoria da qualidade de vida das famílias, ao mesmo tempo em que o mercado de energia local é fortalecido com mão de obra especializada.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Alunos da rede estadual aprendem Biologia e Química em jogos feitos com materiais recicláveis

Além de ajudar no aprendizado dos estudantes, a iniciativa contribui para a preservação do meio ambiente

 

 

Para os estudantes do Colégio Estadual Collechio, em Bangu, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, aprender Biologia e Química nunca foi tão fácil e divertido como está sendo agora. Graças à iniciativa do professor Ricardo Lyra, que criou jogos de Tabuleiro, Memória, Cara a Cara, Trunfo e Uno com materiais recicláveis. Além de ser um facilitador no aprendizado dos alunos, a prática ainda faz muito bem para a natureza.

 

— A ideia surgiu porque tínhamos a necessidade de buscarmos alternativas para atrair a atenção dos nossos alunos, de socializá-los e, principalmente, levá-los a compreender de forma dinâmica o conteúdo programático referente a cada segmento — conta o professor Ricardo, de Química e Biologia, sobre a criação do projeto na escola. 

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

O projeto colabora ainda para uma causa muito importante: conscientizar os jovens sobre os cuidados com o planeta.

 

 — Como uso de um recurso alternativo, podemos dar um novo destino a materiais que seriam descartados como resíduos não recicláveis, isto é, aqueles que não podem ser reutilizados e/ou transformados em outros produtos. É um ato de conservação do meio ambiente e do equilíbrio ecológico — destacou Ricardo Lyra.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

A prática colabora para a prevenção de riscos na saúde pública e impactos ambientais, além de reduzir a exploração de recursos naturais.

 

— Esses jogos que o professor trouxe para a sala de aula me ajudam a aprender bastante, além de sair um pouco daquela coisa padrão, que é só ficar escrevendo no quadro — celebrou Victor Hugo, aluno da 2ª série do Ensino Médio, que curtiu muito a ideia que, de quebra, ajuda em tornar o mundo mais sustentável.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Ações de colégios da rede estadual ajudam a melhorar desempenho no Enem

Pesquisa mostra que caiu a distância entre notas de escolas públicas e privadas

 

Um levantamento aponta que a distância entre o desempenho de escolas públicas e privadas no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) está caindo. Na nota da redação, por exemplo, a diferença entre as redes, que já foi de 68% em 2018, despencou para 35% em 2022, último ano com dados disponíveis.  A melhora no exame nacional é resultado de uma série de ações especiais realizadas pelas escolas da rede estadual do Rio de Janeiro, como os projetos ‘Imersão no Enem’, ‘Foco no Enem’ e ‘Enem na Escola’. 

 

–  Com certeza, ações desenvolvidas por toda a equipe pedagógica na rede estadual têm feito a grande diferença na formação de nossos alunos. Estamos incentivando diversas atividades preparatórias nas escolas. Esse aumento é fruto de um trabalho do Governo do Estado e da Secretaria de Educação. A missão da Secretaria de Estado de Educação é encontrar mecanismos que busquem sempre oferecer uma educação pública de qualidade para toda a comunidade escolar — comentou a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto

 

Para as análises de desempenho, foram utilizadas as escolas que realizaram o Enem nos cinco anos consecutivos, de 2018 a 2022. Nessa amostragem, estão três mil escolas privadas e dez mil públicas. É importante ressaltar que essa distância caiu mesmo com um aumento de performance da rede privada. Os dados mostram que os alunos de escolas particulares passaram de 644 pontos, em 2018, para 747, em 2022. Já os da pública subiram em ritmo mais avançado, de 382 para 553.

 

Os bons resultados da rede se mantêm como, por exemplo, o excelente desempenho da jovem Maria Luiza Januzzi, de 17 anos, aluna do Colégio Estadual Padre Sebastião da Silva Pereira, de Valença, na Região Sul Fluminense do Rio de Janeiro. Ela conquistou a nota 1000 na prova de redação do Enem.

 

– Quando recebi a nota, minha primeira reação foi de surpresa. Não conseguia conceber a ideia da pontuação máxima na redação, parecia algo tão impossível. Logo depois, me emocionei demais e fiquei muito feliz e realizada por poder fazer parte disso, de representar a escola pública e incentivar os alunos da rede a sempre buscarem e correrem atrás de seus sonhos – conta a estudante.

 

Ações realizadas pelas escolas da rede estadual são fundamentais para a melhoria desses resultados. Um dos grandes destaques é o trabalho feito pelo Colégio Estadual Marechal Zenóbio da Costa, em Nilópolis, na Baixada Fluminense. O projeto ‘Imersão no Enem’ promove aulões semanais para que os estudantes alcancem um bom desempenho na avaliação.

 

‘Foco no Enem’, uma iniciativa do Colégio Estadual Miguel Couto, de Duque de Caxias, também na Baixada Fluminense, faz com que os estudantes aprendam técnicas de redação, gêneros, variedades linguísticas, funções da linguagem e métodos de como se criar um bom texto. A ação realiza também integração entre as disciplinas de História e Sociologia. O tema semanal sugerido é abordado pelos professores e discutido até que o assunto se esgote.

 

Outro projeto de destaque é o ‘Enem na Escola’, realizado pelo Colégio Estadual Marechal João Baptista de Mattos, em Coelho Neto, na Zona Norte do Rio. A iniciativa vem transformando a vida de jovens e inserindo cada vez mais alunos da rede estadual em instituições públicas e privadas do país. A iniciativa, realizada desde 2013, busca garantir 100% de adesão no Enem. Como estímulo à participação no exame, o colégio proporciona passeios em cidades históricas do estado. Ao longo do projeto, são realizadas aulas, simulados e treinamentos de redação. Ainda são dadas orientações sobre os procedimentos do exame, para que o candidato fique atento às principais datas das provas.

 

Com iniciativas como esta, o número de inscritos no Enem da rede estadual de ensino tem crescido nos últimos anos. Na última edição, por exemplo, cresceu 16%, passando de 243 mil em 2022 para 282 mil em 2023.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ


Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Alunos da rede estadual de ensino podem participar do prêmio Rio de Letras Firjan Sesi

iniciativa vai premiar estudantes do Ensino Médio nas categorias: conto, crônica e poesia. As inscrições vão até 31 de julho



Já pensou em ter seu texto produzido nas aulas de Língua Portuguesa, Redação ou Literatura, sendo premiado pela Firjan SESI e pela Academia Brasileira de Letras (ABL)? Pois esta oportunidade será possível por meio do prêmio Rio de Letras Firjan Sesi que vai reconhecer os melhores textos escritos com o tema “Histórias de Diversidade” nas categorias: conto, crônica e poesia.  Os estudantes poderão se inscrever até 31 de julho.


A secretária de Estado de Educação do Rio de Janeiro, Roberta Barreto, destaca a importância dessa premiação para estimular a escrita literária.


—  Essa iniciativa evidencia a relevância da leitura e da escrita para a nossa formação, pois nos tornam cidadãos mais críticos e engajados. A premiação é uma ótima oportunidade para os nossos alunos colocarem a mão na massa e estarem mais ativos — destacou a secretária.


A professora Myrian Medeiros, subsecretária de Planejamento e Ações Estratégicas da Seeduc-RJ reforça esse convite.


— É com grande entusiasmo que convido os alunos a participarem. A literatura, a arte e o poder transformador da escrita são ferramentas poderosas que têm o potencial de nos emocionar. Através da literatura, podemos expressar nossas emoções, compartilhar nossas histórias e inspirar aqueles que nos leem — disse a subsecretária.


O concurso reunirá também estudantes das escolas Firjan Sesi e trabalhadores da indústria fluminense. O trabalho dos candidatos será avaliado por uma banca composta pelos acadêmicos da ABL e os vencedores ganharão tablets. As escolas, os professores e as regionais dos alunos vencedores também serão contemplados: os professores ganharão dispositivos de leitura para livros digitais e a escola, um acervo de 50 títulos escolhidos pela ABL. A premiação está prevista para novembro.



Saiba mais sobre como participar



Cada um dos colégios estaduais com turmas de Ensino Médio do Rio de Janeiro poderá inscrever um trabalho para cada subcategoria e modalidade textual. É importante destacar que cada unidade escolar deverá organizar a divulgação, as discussões sobre a temática e sobre os gêneros textuais envolvidos e promover seletiva interna (sua atribuição exclusiva), sem a participação do Sesi-RJ ou da ABL, de modo a escolher os textos selecionados para em seguida, enviá-los à sua coordenadoria regional. Cada colégio estadual poderá inscrever até nove trabalhos.


A unidade escolar deverá enviar os trabalhos selecionados para a sua coordenadoria regional, que promoverá outra seletiva interna, escolhendo um trabalho para cada subcategoria e modalidade textual para ser inscrito no prêmio. A coordenadoria regional deverá inscrever os trabalhos selecionados por ela, por meio do formulário eletrônico disponível na página oficial do Prêmio Rio de Letras – Firjan Sesi, no site (clique aqui), até o dia 31 de julho de 2024. O formulário eletrônico será encerrado automaticamente após essa data e horário, não sendo possível o envio de inscrição posterior.

Fotos: Ana Cabral - Seeduc-RJ

Escolas interculturais Brasil-México recebem doações de livros didáticos em espanhol do Consulado do México

Iniciativa tem objetivo de estimular o aprendizado da língua nas unidades da rede estadual, com ênfase em arte e cultura

 

As unidades Interculturais Brasil-México do estado do Rio de Janeiro, com ênfase em arte e cultura do país, receberam cerca de 4 mil livros didáticos em espanhol doados pelo Consulado-Geral do México. A entrega faz parte do acordo firmado entre a Secretaria de Estado de Educação (Seeduc-RJ) e o consulado mexicano, com o objetivo de estimular a Língua Espanhola para os alunos do Ciep 413 Adão Pereira Nunes, em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio, do Ciep 370 Professor Sylvio Gnecco de Carvalho, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense, e do Colégio Estadual Antônio de Jesus Gomes, em Vassouras, Centro-Sul do estado.

Os livros englobam áreas de conhecimento como Espanhol, História, Leitura, Matemática e Geografia, entre outras. E serão usados como apoio na aprendizagem dos estudantes.

— Esse projeto é um marco de ressignificação para as nossas escolas, com o ensino do espanhol. Temos alunos cada vez mais empenhados e engajados pelo aprendizado do idioma, como na imersão da arte e cultura mexicana. As obras chegam para agregar e vão se tornar mais um estímulo para que os estudantes sejam cada vez mais fluentes na Língua Espanhola — destacou a secretária de Educação, Roberta Barreto, que ressaltou ainda a importância da parceria com o consulado mexicano.

Fotos: Ana Cabral - Seeduc-RJ

O cônsul-geral do México no Rio de Janeiro, Héctor Valezzi, afirmou que é uma grande satisfação manter uma parceria que ensina a cultura do país.

— É muito importante para nós que os alunos saibam e conheçam melhor o México. Esses livros são os mesmos que alunos mexicanos estudam, e tenho certeza de que serão muito úteis e vão contribuir ainda mais para o aprendizado dos estudantes — disse o cônsul.

Nicolas dos Santos, de 18 anos, aluno da 3ª série do Ensino Médio no Ciep 413 Adão Pereira Nunes, comemorou a chegada da doação à escola.

— Queríamos agradecer ao consulado pela preocupação com a nossa prática no espanhol. Ficamos muito felizes com o envio dos livros, pois não vamos aprender a Língua Espanhola somente na gramática, mas em Matemática, Geografia, História, etc — frisou o estudante, que revelou ainda que o livro que mais gostou foi o de Matemática.

Fotos: Ana Cabral - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Corrida de Orientação na Quinta da Boa Vista atrai estudantes da Ilha Grande

Mais de 100 km de estrada e uma travessia marítima separam o Colégio Estadual Brigadeiro Nóbrega, na Ilha Grande, em Angra dos Reis, da Quinta da Boa Vista, na Zona Norte do Rio. Apesar disso, a distância foi só um dos vários obstáculos que os alunos da unidade venceram nesta quarta-feira (29/05), durante uma modalidade esportiva diferente: a Corrida de Orientação, onde o objetivo é usar mapas e bússolas para localizar pontos de controle escondidos no terreno, no menor tempo possível.

Saindo bem cedo da Vila do Abraão, onde fica o colégio, os estudantes fizeram a travessia de barco até o cais, e de lá rumaram para o Rio em um ônibus. Ao chegarem no parque, ainda pela manhã, eles foram recebidos pela equipe do “Se Orienta Rio”, um grupo que promove a corrida em diversos pontos do estado e que ensinou a eles sobre leitura de mapas, uso de bússola, elevações, curvas de níveis e símbolos cartográficos.

Separados em quatro times, os estudantes percorreram o parque em busca dos prismas que sinalizavam seu objetivo inicial. Em cada um deles os alunos-atletas precisavam registrar sua passagem pelo local para poder avançar na disputa. Com apoio da direção da unidade, a professora de Educação Física, Elizete Silva, coordenou a atividade na Quinta da Boa Vista.

— Além de desenvolver habilidades físicas e emocionais, o esporte está associado ao meio onde eles vivem, a Ilha Grande, que é repleta de relevos e florestas. Viemos aqui para que eles possam conhecer outros espaços semelhantes e desenvolverem essas habilidades. Também estudamos os mapas para levar para os professores de Geografia que vão explorar o tema e os alunos também farão uma redação para a disciplina de Língua Portuguesa, explicando o que foi a atividade — contou a docente.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Para a aluna Mariana Paula, da 3ª série do Ensino Médio, a experiência foi incrível.

— Eu nunca tinha feito nada assim antes e foi muito gratificante. O pessoal foi ficando mais motivado a cada ponto que encontravam. Aí depois, quando a gente olhou pra trás e viu tudo que fizemos, ficamos com o coração cheio e muito felizes. Agora eu penso em fazer mais vezes — disse a jovem.

Já a aluna da 1ª série, Lívia Mariano Lucas, disse que, apesar de não ser muito fã de corrida, gostou da atividade e recomenda.

— Meu grupo fez em 22 minutos. Foi uma loucura, eu tive que acompanhar os meninos na corrida e até alcançamos pessoas que largaram muito antes da gente. Teve uma hora que eu precisei dar a volta no barranco pra não escorregar por ele igual os colegas fizeram. A modalidade é bem divertida e eu recomendo — afirmou.

Uma das responsáveis pelo “Se Orienta Rio”, a também professora, Mére Quirino, que é tetracampeã brasileira da modalidade, explicou que a Corrida de Orientação é comparada a uma meia maratona e traz inúmeros benefícios físicos e mentais para os participantes, indo muito além da diversão e da aventura.

Segundo ela, a atividade perpassa pela localização e orientação espacial, ou seja, pela disciplina de Geografia, mas com o acréscimo da Educação Física. Por conta dos objetivos, os alunos precisam responder a perguntas como “onde estou? Para onde vou? Como vou?”, Desta forma, eles acabando desenvolvendo memória fotográfica, coragem, concentração, foco, tomada de decisão e planejamento de rotas, além do contato com a natureza.

— A orientação ajuda muito na concentração do aluno, uma vez que ele precisa ler o mapa, traçar rotas adequadas para transposição dos obstáculos, fazer cálculos e identificar o trajeto mais coerente para chegar ao objetivo, além de trabalhar o condicionamento físico, já que ele também precisa subir morros, correr e caminhar — disse.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

O “Se Orienta Rio” vai para a 9ª edição na próxima semana e as corridas acontecem sempre em lugares diferentes como a Floresta da Tijuca e Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro, Queimados, na Baixada Fluminense, Quatis e Barra do Piraí, no Sul Fluminense, entre outros espaços. Os encontros são gratuitos e abertos para todos. Os desafios acontecem quinzenalmente conforme cronograma divulgado em seu perfil no Instagram (@seorientario). Para participar basta fazer a inscrição prévia e comparecer no dia marcado.

Agora, os alunos voltam para a Ilha Grande com a sensação de dever cumprido e com a vontade de explorar novas perspectivas e lugares, tendo um olhar mais atento à natureza e aos desafios que podem vir a superar.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Weslley Barbosa - Seeduc-RJ

Seeduc promove curso de capacitação digital para 100 professores formadores da rede

Profissionais qualificados terão a missão de replicar o conhecimento aos demais docentes nas escolas estaduais

 

O tradicional Instituto de Educação Professor Ismael Coutinho, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, recebeu, nesta quarta-feira (29/05), o curso de Política Nacional de Educação Digital para 100 professores formadores da rede estadual de ensino. A iniciativa teve como objetivo preparar os profissionais para disseminarem o conhecimento aos demais professores nas 1.233 escolas da rede, visando estimular as plataformas digitais e metodologias inovadoras a fim de dinamizar o processo de ensino e tornar as aulas mais atrativas.

A formação foi realizada por meio da parceria entre a Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ) e a GetEdu, empresa que mostra que as ferramentas digitais funcionam como auxílio não só na aprendizagem, mas também nos processos gerenciais e humanos de qualquer instituição.

Durante o dia, os professores formadores, que vieram de 17 polos descentralizados do estado, participaram de dinâmicas, colocaram a mão na massa, além de trocarem experiências sobre a temática.

O superintendente de Inovação Digital da Seeduc, Yago Andrade, destacou a importância desta formação para a melhoria das aulas na rede estadual.

— O objetivo desta formação é possibilitar que os nossos alunos tenham aulas mais dinâmicas e consigam inserir melhor as novas tecnologias — afirmou o superintendente.

Fotos: Weslley Barbosa - Seeduc-RJ

A formação foi dividida em módulos como LadCrie, Educação Maker, Política Nacional de Educação Digital e Design Thinking.

Julia Barbosa, coordenadora de Planejamento de Formação da pasta, ressaltou ainda que os professores formadores viveram um momento ímpar.

— Aqui, eles colocaram a mão na massa no nosso LadCrie, espaço que conta com computadores, impressoras 3D, kits de eletrônica e robótica, projetores, entre outros equipamentos. A iniciativa é uma parceria entre a Secretaria de Estado de Educação, o Ministério da Educação e a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e possibilita formação continuada para os professores da rede estadual — destacou Julia.

Fotos: Weslley Barbosa - Seeduc-RJ

Professores formados em segurança

Na terça-feira (28/05), os mesmos profissionais participaram do curso de Formação Acesso Mais Seguro. O encontro foi realizado na sede da secretaria, na Cidade Nova, Zona Central do Rio, e teve como objetivo preparar profissionais para disseminarem conhecimento sobre segurança aos demais professores nas 1.233 escolas da rede, visando estimular um ambiente seguro e favorável ao aprendizado dos estudantes. A iniciativa foi uma parceria da Seeduc com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

Fotos: Weslley Barbosa - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Programa Jovem Repórter:  Alunos da rede estadual se preparam para o G20

100 estudantes de escolas interculturais farão a cobertura dos eventos da cúpula mundial

 

O Grupo dos 20 (G20), principal fórum de cooperação econômica internacional, será realizado neste ano no Brasil, no Rio de Janeiro, que receberá alguns dos encontros mais importantes, como a Reunião de Chefes de Estado, em novembro. Por meio do Programa Jovem Repórter, 100 estudantes das escolas interculturais da rede estadual de ensino participarão da cobertura jornalística dos principais eventos da cúpula mundial. Nesta terça-feira (28/05), foi dado o primeiro passo para o processo de formação dos jovens repórteres em um encontro na Casa G20, em Ipanema, Zona Sul do Rio.

– Aqui está nascendo um projeto muito especial para a rede estadual de ensino. São os nossos Jovens Repórteres, que vão acompanhar não somente as ações do G20, mas vários eventos da secretaria e, quem sabe, até do Governo do Estado, para ampliar não só o conhecimento técnico, mas também essa aptidão, esse projeto de vida, que vocês, do Ensino Médio, já constroem para a carreira profissional de cada um. Que este dia não seja apenas o início de uma carreira, mas que possa ser repleto das melhores memórias afetivas, para que vocês guardem no coração, na lembrança, e que, um dia, em um futuro de muito sucesso, vocês possam dizer que foi aqui que tudo começou – afirmou a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto.

O encontro na Casa G20 reuniu os 100 alunos e professores com profissionais das áreas de Comunicação e Relações Internacionais, como forma de apresentar o G20 e fazer a ligação do fórum mundial com os assuntos que estão na pauta da sociedade fluminense, como enfrentamento das mudanças climáticas, empoderamento feminino, combate à fome e à pobreza, sustentabilidade ambiental e energias renováveis.

– Ações como essas abrem os nossos horizontes, faz com que tenhamos mais interesse nas questões globais. Precisamos estar cada dia mais inseridos para construirmos o mundo que queremos – celebrou Marcela Procópio, de 17 anos, aluna da 3ª série do Ensino Médio do Ciep 449 Governador Leonel de Moura Brizola - Intercultural Brasil-França. 

Durante o encontro, o grupo de jovens das escolas interculturais assistiu a debates entre profissionais de Comunicação e de Relações Internacionais para compreensão do G20 e recebeu orientações gerais para a cobertura jornalística dos eventos, envolvendo noções de produção de fotografias e vídeos pelo celular, linguagem de rádio e redes sociais.

– É maravilhoso ver essa molecada se preparando para este grande evento, e estamos aqui para ajudar, contribuir com o crescimento de todos, como pessoas, cidadãos e profissionais – comentou o humorista e ator Hélio de La Peña, que fechou a manhã de trabalho com uma divertida apresentação.

Os conteúdos produzidos pelos estudantes serão veiculados em canais digitais que serão disponibilizados pela comunicação do governo. A ideia é que, com a linguagem jovem, eles possam transmitir o que aprenderam e o que sentiram ao entrevistar diplomatas, autoridades, jornalistas e profissionais de Relações Internacionais envolvidos com o debate de temas que estão no seu cotidiano.

– A gente tem que entender o que é o G20 e como isso se conecta e impacta na vida deles. É importante que esses jovens entendam do que está sendo tratado e possam traduzir na linguagem deles, como eles e a sociedade podem participar e se fazer representar nesse movimento – disse a chefe do Escritório da Representação do Itamaraty no Rio de Janeiro, embaixadora Márcia Maro. 

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

O Programa

 

O Programa Jovem Repórter G20 é uma proposta de formar estudantes das escolas interculturais da rede estadual, que já têm no currículo o estudo de língua estrangeira e de culturas de outros países, para atuação em eventos do Governo do Estado e do próprio G20 como produtores de conteúdo para diversas mídias. Cobrindo os eventos como se fossem repórteres, eles aprenderão sobre os universos da comunicação e das relações internacionais, tendo passado, antes, por um processo de qualificação com profissionais das duas áreas.

– Uma grande ideia, porque abre o acesso e contato com a juventude, essencial para qualquer iniciativa. São ações simples, como essa, que ganham corpo e viram movimentos diferenciados. Isso é fantástico – declarou o embaixador Joel Sampaio, assessor especial de Comunicação Social do Itamaraty, que participou de uma das mesas deste encontro.

Ao incentivar a organização de reuniões paralelas às oficiais por parte da sociedade civil, o G20 deseja que a série de encontros não seja apenas reunião fechada de autoridades, mas momentos de envolvimento com a população com o debate sobre o futuro do mundo. É neste cenário que comunicação e educação poderão trabalhar juntas para mobilizar os alunos da rede estadual em torno dos temas abordados ao longo de 2024.

– A gente tem que se empoderar e aproveitar esse grande evento internacional que acontece no Brasil. Vão ser discutidas pautas que vão envolver toda a sociedade, e, com nossa juventude, com nossas escolas, podemos engajar toda a nossa sociedade – acrescentou Bruno Costa, Subsecretário Adjunto de Relações Internacionais.

A iniciativa do Jovem Repórter G20 é inspirada no Imprensa Jovem, que vem sendo executado na Prefeitura de São Paulo em 355 escolas com muito sucesso. No Rio, o projeto é fruto da parceria entre as secretarias de Estado de Educação e da Casa Civil, por meio das subsecretarias de Comunicação e Publicidade e Relações Internacionais.

– Nosso programa tem 18 anos em São Paulo e é reconhecido na Unesco como um projeto de inserção a educação midiática. Essa parceria aqui é linda, pois estamos também aqui, no Rio de Janeiro desenvolvendo uma iniciativa que incentiva a leitura crítica, para todos esses jovens – acrescentou o professor Carlos Lima, idealizador da iniciativa Imprensa Jovem, de São Paulo.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

As 27 escolas interculturais são um grande sucesso na rede estadual de ensino. Essas unidades têm uma proposta pedagógica clara, bem definida, desenvolvida de maneira dinâmica, prazerosa e que apoia a autonomia, a competência e a percepção de pertencimento dos estudantes, o que leva ao engajamento, à motivação e a não evasão. São verdadeiros "centros culturais", portas de oportunidades para que os alunos sigam carreiras dentro e fora do país.

– A iniciativa do Governo do Estado do Rio é excelente. Colocar o estudante no G20 é colocar o G20 dentro da casa das pessoas. Ninguém melhor do que um jovem para tirar a gente de nossa zona de conforto. Eles estão lendo tudo relacionado ao evento e estão produzindo conteúdo do jeito deles, e esse é o objetivo do encontro, traduzir nossos conceitos e trazer para a realidade de todos – comentou o coordenador de Comunicação do G20 no Brasil, Carlos Alberto Júnior.

Participaram da formação desta terça-feira estudantes das seguintes escolas: Colégio Estadual Hispano Brasileiro João Cabral de Melo Neto, Colégio Estadual José Maria de Brito (Brasil-Japão), Colégio Estadual Matemático Joaquim Gomes de Souza (Brasil-China), Colégio Estadual Professora Eliana Martins Dantas (Brasil-Alemanha), Colégio Estadual Tenente Otávio Pinheiro (Brasil-Rússia), Ciep 097 Filinto Muller, Ciep 100 São Francisco de Assis, Ciep 117 Carlos Drummond de Andrade (Brasil-Estados Unidos), Ciep 218 Ministro Hermes Lima (Brasil-Turquia), Ciep 413 Adão Pereira Nunes (Brasil-México) e Ciep 449 Governador Leonel de Moura Brizola (Brasil-França).

– Estamos muito felizes de participar deste projeto, dando protagonismo a essa nossa juventude tão linda – comemorou Deise Perfeito, diretora-geral do Colégio Estadual Professora Eliane Martins Dantas Intercultural Brasil – Alemanha.

Este trabalho está sendo realizado para que esta seja uma primeira experiência e que o Jovem Repórter se transforme num programa permanente de governo. Um legado do G20 para a educação.

– É o máximo ver nossos alunos assumindo esse papel de liderança e isso vai ser um diferencial muito grande para a vida de todos os nossos jovens repórteres – concluiu Myrian Medeiros, subsecretária de Ações e Planejamento Estratégico da Secretaria de Estado de Educação. 

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Weslley Barbosa - Seeduc-RJ

Seeduc realiza curso de formação de segurança para professores formadores da rede

Iniciativa qualificou 100 profissionais para disseminarem o conhecimento adquirido aos demais docentes nas escolas estaduais

 

A Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ) promoveu, em parceria com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), o curso de Formação Acesso Mais Seguro para 100 professores formadores da rede estadual de ensino. O encontro foi realizado na sede da secretaria, na Cidade Nova, Zona Central do Rio, e teve como objetivo preparar profissionais para disseminarem conhecimento sobre segurança aos demais professores nas 1.233 escolas da rede, visando estimular um ambiente seguro e favorável ao aprendizado dos estudantes.

A iniciativa faz parte do Plano de Ações Integradas de Segurança e Cultura de Paz nas Escolas (SegPaz), elaborado pela Seeduc-RJ, dentro das propostas apresentadas pelo Comitê Intersetorial de Segurança Escolar, criado pelo governador Cláudio Castro em 2023. Essas ações buscam garantir uma cultura de paz e a promoção de segurança nas unidades escolares.

A subsecretária de Planejamento e Ações Estratégicas da Seeduc-RJ, Myrian Medeiros, destacou que os professores formadores são peças fundamentais para possibilitar um ensino seguro e de qualidade para os alunos da rede.

— É um prazer estar aqui com vocês. Quero agradecer o compromisso que vocês têm com a escola e a formação dos nossos professores. Queremos agradecer a participação importante do Comitê da Cruz Vermelha para tratar esse assunto fundamental que é a segurança — disse a subsecretária.

Ao longo do dia, os professores formadores, que vieram de 17 polos descentralizados pelo estado, participaram de palestra, dinâmicas e trocaram suas experiências acerca da temática com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

— A expectativa é que os conhecimentos em gestão de risco e gestão de crise possam reduzir a exposição desses profissionais das escolas aos impactos da violência armada — afirma Karen Cerqueira, Coordenadora do Programa Acesso Mais Seguro para Serviços Públicos Essenciais (AMS) do CICV.

Fotos: Weslley Barbosa - Seeduc-RJ

O superintendente de Desenvolvimento de Pessoas da Seeduc-RJ, Diego Ferreira, afirmou que esta formação é de suma importância para a continuidade das Ações Integradas de Segurança e Cultura de Paz nas Escolas.

— Formamos os profissionais que vão atuar nas escolas com o protocolo Acesso Mais Seguro. Com este curso, teremos uma ampliação do SegPaz tão importante para a qualidade do acesso às escolas estaduais — salientou o superintendente.

Ângelo José Alves, professor formador, ressaltou que a iniciativa é fundamental para auxiliar os professores no trabalho e na conscientização em relação à segurança nas escolas.

— Com esta formação, aprendemos como podemos ter comportamentos mais seguros dentro do ambiente escolar por meio desta parceria entre a Secretaria de Educação e o Comitê Internacional Da Cruz Vermelha — disse ele.

Com este curso, os multiplicadores estão aptos para compartilhar os conhecimentos sobre segurança com outros professores da rede.

Fotos: Weslley Barbosa - Seeduc-RJ

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Aulas na rede estadual do Rio de Janeiro seguem normalmente apesar de convocação de greve

Nesta terça-feira (28/05), as mais de 1.200 escolas da rede estadual do Rio de Janeiro abriram as portas e receberam os alunos para mais um dia de aprendizado, mesmo diante da convocação de greve por parte do Sindicato dos Profissionais da Educação - Sepe. Apesar do anúncio, a paralisação de alguns professores não impactou as aulas de forma significativa, ficando a adesão em menos de 1%, ao longo do dia. As atividades escolares seguem normalmente.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Em toda a extensão do estado, alunos e professores se empenham em garantir o avanço do ensino e as atividades ganham destaque nos 92 municípios fluminenses, como é o caso dos colégios Prof.ª Minervina Barbosa de Castro, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense; Francisco Portella, em Natividade, no Noroeste Fluminense; Professor José Antônio Maia Vinagre, em Barra do Piraí, no Sul Fluminense, Maria Zulmira Torres, em Cachoeiras de Macacu; Stella Matutina, no Rio de Janeiro, que assim como as demais, não estão com o ensino prejudicado.

É certo que o compromisso com a Educação é compartilhado todos, entretanto, vale lembrar que em 2023 os alunos ficaram cerca de 40 dias sem aulas, após uma greve iniciada pelo sindicato pouco tempo depois do fim da pandemia de covid-19, que já havia prejudicado, em muito, o aprendizado dos estudantes. 

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Valorização do magistério

 

Em meio a desafios como esses, a determinação em garantir o direito à educação permanece firme, assim como o compromisso com a melhoria para os servidores, demonstrando a resiliência e a vontade de superar obstáculos em prol de um futuro melhor para todos.

O Governo do Estado vem investindo na valorização do magistério.  Foram mais de R$ 1 bilhão em benefícios, como abonos, triênios, adicionais de qualificação e auxílios transporte e alimentação. Em maio de 2023, 36 mil professores receberam reajuste, para que nenhum recebesse abaixo do valor do piso nacional do magistério. Em dezembro do ano passado, 70 mil servidores da Educação ganharam o Abono Fundeb, equivalente ao 14º salário. Além disso, desde 2021, mais de 2.500 professores concursados foram nomeados.

 Vale lembrar que a pasta está providenciando a contratação de 4.700 profissionais temporários e a migração do Professor Docente I de 18h para 30 horas semanais, que está com inscrições abertas até 10 de junho.

A Secretaria de Estado de Educação segue aberta ao diálogo com a categoria e reafirma o compromisso do Governo do Estado com a valorização dos profissionais da rede estadual de ensino.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Educação recebe representantes do Sepe para tratar do magistério

Na manhã desta segunda-feira (27/05), a Secretaria de Estado de Educação recebeu representantes do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação - Sepe para uma reunião de alinhamento sobre as ações da Educação na rede e o magistério. 

À mesa, os técnicos das áreas em pauta conversaram com os professores sobre cada um dos pontos previamente solicitados pelo sindicato, esclarecendo dúvidas e propondo melhorias passíveis de mudança.

Ao longo das três horas de reunião, a Seeduc lembrou dos avanços conquistados recentemente por meio do diálogo, as dificuldades que o estado tem frente ao Regime de Recuperação Fiscal, o apoio aos animadores culturais, a importância da apuração séria de sindicâncias e denúncias, a regularidade do pagamento a terceirizados, a importância da educação contra o abuso sexual de crianças e jovens a ser realizdo pelos concluintes do Curso Nornal, a matriz curricular para 2025 e a ampliação do prazo de inscrição para o Professor Docente I que queira migrar de 18h para 30 horas semanais, bem como a retificação de inscrições já feitas. 

Sobre este ponto, a migração foi um pedido antigo da categoria, que foi atendido pelo governador Cláudio Castro, em abril, e que está com inscrições abertas até o próximo dia 10 de junho. Já as correções podem ser feitas entre 5 e 10 de junho.

Ao término, apesar de não estar na pauta, o sindicato também foi esclarecido quanto ao processo consultivo para diretor, sobre o qual pairavam questionamentos.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Prorrogada Escuta das Adolescências nas Escolas

Prazo que terminaria nesta segunda-feira, segue até o dia 31 de maio

 

O Ministério da Educação (MEC) prorrogou, até o dia 31 de maio, o prazo de participação das escolas no processo de Escuta, destinada a alunos dos anos finais do Ensino Fundamental de todo o país. A ação visa compreender e acolher as necessidades dos adolescentes, fortalecendo e valorizando essa etapa de ensino com políticas públicas eficazes que considerem os diferentes desafios nos aspectos biológicos, emocionais e psicossociais no percurso de ensino-aprendizagem.


Nas escolas estaduais do Rio de Janeiro, a mobilização não para. No formulário disponível on-line, os alunos respondem, de forma anônima, questões sobre acolhimento, convivência, formas de aprender melhor, recursos educacionais, entre outras, podendo também opinar sobre conteúdos de maior interesse pessoal e informar suas habilidades e características pessoais.


A escuta está inserida na Escola das Adolescências, uma iniciativa conjunta entre MEC, Undime e Consed. Essa é uma das diferentes ações voltadas a esse público.   Importante destacar como a rede Seeduc-RJ abraçou essa ideia, mobilizou as escolas e está garantindo sua realização de forma   participativa, acolhendo estudantes e professores de todas as áreas do conhecimento, de forma potente e encantadora.- disse a coordenadora de Ensino Fundamental da Superintendência Pedagógica, da Subsecretaria de Gestão de Ensino da Seeduc-RJ, Rita de Cássia Manhães.


Por todo o estado, são centenas de alunos engajados e participando. Uma das unidades por dentro das novidades é o Colégio Estadual Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, no município de Areal, na Região Serrana. Os alunos produziram um vídeo mostrando a importância da participação dos colegas. Já o Colégio Estadual Euclides da Cunha, em Duque de Caxias, e o Ciep 396 - Luiz Peixoto, em Queimados, ambos na Baixada Fluminense, também promoveram rodas de conversa, assim como várias outras escolas das 11 regionais envolvidas.


Como gestores públicos, reconhecemos a importância de ouvir atentamente as vozes dos estudantes, buscando aprimorar nossas estratégias e desenvolver um planejamento voltado às suas necessidades específicas. - finalizou a subsecretária de Gestão de Ensino, Joilza Rangel.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Estudantes da rede estadual prestam homenagens na despedida à dona Naná, aluna mais idosa da rede estadual

Professores, amigos e familiares se despediram de dona Naná, aluna que ganhou destaque na imprensa nacional nos últimos anos, por não ter desistido do sonho de menina de ser professora

 

Neste domingo (26/05), professores, amigos, familiares e estudantes da 3ª série do Curso de Formação de Professores do Colégio Estadual Clodomiro Vasconcelos, em Itaguaí, na Baixada Fluminense, foram à unidade escolar para prestar as últimas homenagens à Ignácia de Carvalho do Carmo, conhecida como “dona Naná”, que faleceu no sábado (25/05), aos 86 anos. A história de Naná ganhou destaque e foi contada na imprensa nacional nos últimos anos, por ela não ter desistido do sonho de menina de se tornar professora, mesmo depois de ter alcançado uma certa idade.

Filha de lavradores teve que trocar o caderno pela enxada. No entanto, em 2019, após ficar viúva, decidiu dar continuidade ao sonho e se tornou a aluna mais idosa da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro. No final deste ano, Naná iria realizar o seu grande desejo e se formaria no Curso Normal de Formação de Professores.

Ao longo da sua passagem pela escola, fez muitos amigos, e era tida como exemplo de superação e de força de vontade ao mostrar que nunca é tarde para ir atrás dos sonhos.

— Ela deixou a mais pura expressão de amor. Ela amou tudo que fez e teve na vida; a família, as colegas de classe e teve muito amor pela educação. Ser professora era o seu maior sonho, a gente não conseguiu entregar o diploma. Mas, ela se formou, porque depois que passou por aqui, realizou palestras motivacionais e contribuiu para a educação. Então, acredito que a Naná fez a parte dela como professora — destacou a diretora-adjunta, Gislene Monteiro, sobre o quanto a estudante marcou durante o tempo que esteve na unidade escolar.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Homenagens e declarações marcam adeus​

 

O Colégio Estadual Clodomiro Vasconcelos palco de momentos felizes e marcantes na vida de Naná ficou lotado ao longo do velório que ocorreu durante a manhã.

— A dona Naná para gente significa inspiração. Ela nos ensinou a nunca desistir por mais difícil que seja. Nunca é tarde para correr atrás dos seus sonhos. E ela fez isso até a última batida do seu coração, já que vivia para isso — disse Vitória Augusto, de 17 anos, colega de turma de Naná, que afirma tê-la como motivação para seguir em frente, destacando que o sonho dela também é o nosso.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

A secretaria de Estado de Educação, Roberta Barreto, também se solidarizou com os familiares e amigos, e destacou a importância de ter alunos como dona Naná.

— Nossa rede estadual de ensino perde um grande exemplo de mulher aguerrida, que mesmo com todas as dificuldades impostas pela vida, não desistiu e foi em busca da realização do magistério. Naná estava muito perto de tornar o seu sonho real, mas ela deixa um legado e vai continuar inspirando outras pessoas Brasil afora — afirmou a secretária.

O sepultamento de Naná aconteceu no Cemitério São Francisco Xavier, no Centro de Itaguaí.

Fotos: Jean Barreto - Seeduc-RJ

Fotos: Ellan Lustosa - Seeduc-RJ

Adoção: vidas transformadas pelo amor

No Dia Nacional da Adoção, celebrado neste sábado, histórias de alunos adotados mostram que o apoio da escola e auxílio-adoção para servidores da Educação são fundamentais para as famílias acolhedoras.

Neste sábado, dia 25 de maio, o Brasil celebra o Dia Nacional da Adoção, data que destaca a importância de oferecer lares amorosos e acolhedores para crianças e adolescentes que necessitam de uma família. É o caso da aluna Mariana Sardinha, uma jovem de 27 anos que, apesar de sua idade, vive a alegria da  adolescência, devido à sua deficiência intelectual.

Estudante do Colégio Estadual Condessa do Rio Novo, em Três Rios, no Centro-Sul Fluminense, ela cursa a 2ª série do Ensino Médio na mesma unidade em que seu pai e seus irmãos estudaram e ainda divide o turno com um deles. Além do apoio da família, que conta com dez filhos, a jovem tem ainda o incentivo dos colegas e profissionais da escola.

— Minha família é muito boa. Quando eu acordo de manhã eu já chamo meus irmãos pra irmos pra escola. Eu amo as aulas de Geografia e de Português e, hoje, eu tenho muitos amigos pra brincar e estudar. No meu aniversário fizeram até uma festa na sala, aqui é muito bom!  — contou Mariana com um sorriso radiante.

Por conta de sua condição clínica, ela não desenvolveu as habilidades de leitura e escrita. Apesar disso, a presença dela em sala de aula é certa. Seu jeito carinhoso e sorridente faz parte do dia a dia da escola, como explica a diretora da unidade, Patrícia Rabello.

— Quando ela chegou achávamos que seria um desafio, mas ela se adaptou muito bem à escola e foi abraçada por todos. Ela está sempre muito feliz e é participativa. É uma menina muito querida — disse.

Para o pai, o técnico em meio ambiente e perito criminal, João Sardinha, a escola é um ambiente familiar e que a filha adora ir às aulas.

— A Mari chega em casa feliz, alegre, não se sente diminuída. Eles acolheram nossa filha e todos cuidam dela, diferente do que ela já viveu no passado. Eles são bem atenciosos e a tratam com muito respeito — contou.

Casado há 30 anos, o emocionado pai de dez filhos prossegue dizendo que a adoção foi um presente para todos em casa.

— Adotar a Mariana foi a melhor coisa que aconteceu na nossa família, foi algo programado por Deus. Fizemos cursos para entender a condição dela, o que nos fez compreender a deficiência de outros também. Com ajuda da escola e dos especialistas ela está se desenvolvendo e nos ensina muito. Adoção é a melhor coisa que existe. Sempre digo para não ficarem escolhendo a quem adotar. Tem muitas crianças esperando e Deus já separou alguém pra você — aconselha.

A esposa, a dona de casa Simone Pinto, conta que Mariana era muito assustada no início e demorou a chamá-la de mãe, mas que o amor foi crescendo cada dia mais.

— Quando ela me chamou de mãe pela primeira vez foi incrível! Ela veio para nos ensinar que existem pessoas diferentes. O abraço dela, o cuidado em saber se estou bem, o zelo que ela tem com os irmãos, nada disso tem preço. Todos a amamos muito — disse.

Simone diz que Deus, amor, união, fé, coragem e perseverança são a chave para o sucesso, mas que precisou enfrentar o preconceito para seguir em frente.

— Já ouvimos coisas como “ela não é sua filha, não é sua responsabilidade, não é do seu sangue, não é da sua cor”. Bom, realmente ela não saiu de dentro de mim, mas ela mora no meu coração. A Mari tem até os nossos trejeitos. Independentemente da cor ou de qualquer outra coisa, ela é minha filha! — afirmou, emocionada.

Fotos: Ellan Lustosa - Seeduc-RJ

Como tudo começou

 

Em 1998, quando conheceram Mariana ela ainda não tinha completado dois anos e tão pouco sua condição de saúde era conhecida. Eles não imaginavam que ela passaria a fazer parte dessa família amorosa, composta, à época, pelos três primeiros filhos do casal. Eles disseram que encontraram Mariana e a mãe biológica em uma praça, e que a menina tinha vários ferimentos pelo corpo. Eles então levaram ambas ao médico, porém, a mãe biológica deixou a unidade hospitalar escondida e, mesmo aparecendo tempos depois, ela e o pai decidiram deixar a menina aos cuidados de João e Simone. Na ocasião, o Conselho Tutelar e a Justiça acompanharam todo o processo. O juiz ofereceu a guarda da menina ao casal, uma vez que já havia sido estabelecido um vínculo entre eles e os genitores concordavam.

Após alguns meses de visitas das assistentes sociais e de audiências ao Fórum, a Justiça autorizou o registro de sobrenome e deu a guarda ao casal. Marina agora era oficialmente a quarta filha de uma família que ainda teria outros seis filhos nos próximos anos, e sua condição clínica seria conhecida, em breve, o que seria mais um capítulo de amor na vida da família Sardinha.

 

Inclusão na rede estadual

 

Para dar suporte aos alunos com deficiência, a Seeduc dispõe do Núcleo de Apoio Pedagógico Especial - Napes, um setor composto por professores com formação em Educação Especial, muitos também com especialização em psicopedagogia, como explica o superintendente de Educação Especial, Daniel Bove.

— Esses profissionais fazem uma avaliação pedagógica para identificar as necessidades deles e as adaptações que precisam ser feitas para que ele possa exercer seu direito à educação. Ou seja, queremos entender o que o aluno necessita para ter um ensino efetivo, quais são suas habilidades e onde ele vai precisar de apoio. Os serviços do Napes podem ser solicitados pelos responsáveis diretamente na direção das nossas escolas em todo o estado — concluiu.

De acordo com o Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA), no Brasil, cerca de 30 mil crianças e adolescentes encontram-se abrigados. Destes, 4.500 já estão aptos para adoção e aguardam por um lar. No Estado do Rio de Janeiro, o auxílio-adoção vem ajudando famílias a realizarem esse sonho. 

Fotos: Ellan Lustosa - Seeduc-RJ

Auxílio-adoção para servidores do estado

 

Além do amor e do apoio emocional, é essencial reconhecer os desafios financeiros que podem surgir ao adotar uma criança. Nesse sentido, a Seeduc lembra que todos servidores estaduais e estatutários, civis ou militares, têm direito a um auxílio-adoção para dar suporte financeiro para criação e cuidado da pessoa adotada.

Gerido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, o benefício faz parte do programa “Um Lar para Mim”, estabelecido pela Lei Estadual nº 3.499/2000 e tem como objetivo incentivar a adoção tardia de crianças e adolescentes que encontram-se em abrigos no estado do Rio de Janeiro.

Dentro da Secretaria de Estado de Educação, 126 servidores já são pais adotivos e recebem o auxílio, como é o caso da professora Alessandra Ramos, que em 2017 adotou um casal de 12 e 13 anos, hoje com 18 e 19 anos.

— São meus diamantes que fui lapidando todos esses anos. O mais velho tirou habilitação, fala inglês e está cursando Letras no Instituto Federal Fluminense de Campos e a mais jovem já terminou a escola e vai iniciar a faculdade de Fisioterapia e a autoescola. O auxílio foi uma das coisas que mais me ajudaram nesses anos. Me sinto realizada ao olhar para eles e ver que estão realizados e são pessoas de caráter — contou.

O mesmo ocorreu com a professora Rita Duque Estrada, que, em 2013, adotou uma jovem de 13 anos que já se formou em Nutrição e agora cursa pós-graduação.

— Eu faria tudo de novo, é muito gratificante! Ela é um amor e minha melhor amiga. Sobre o auxílio, ele foi fundamental na criação dela. Com ele pude investir nela, desde estudos até viagens internacionais para que ela pudesse aprender sobre outras culturas e se preparar para o intercâmbio que ela tanto sonha — afirmou.

A jornada de Mariana e seus pais, bem como as famílias dos professores, ilustram o poder transformador da adoção, proporcionando a oportunidade de crescimento, desenvolvimento e pertencimento a crianças e jovens que, de outra forma, poderiam enfrentar desafios significativos em instituições de acolhimento. No Dia Nacional da Adoção, essas histórias nos mostram que o apoio da escola é fundamental e que a família vai além dos laços sanguíneos, é construída com amor, cuidado e dedicação. Adote e encha seu lar de amor.

Fotos: Ellan Lustosa - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Secretária de Estado de Educação visita Volta Redonda para tratar de avanços na Educação Especial

Nesta sexta-feira (24/05), a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto, acompanhada de sua equipe técnica, esteve em Volta Redonda, no Sul Fluminense, para tratar de Educação Especial no município.

A convite do prefeito Neto, e do deputado estadual, Munir Neto, a comitiva visitou a Creche Municipal Dauro Peixoto Aragão, e em seguida o Ciesp, Centro Integrado de Educação Especial - Diogo Levenhagen, unidade voltada para o atendimento de alunos da Educação Especial.

Na ocasião, a secretária entregou a mesa interativa, um importante equipamento que será usado para mapear o ensino dos alunos especiais, auxiliando o corpo pedagógico no desenvolvimento de atividades para ele.

- Estamos em busca de novas oportunidades para o dia a dia escolar e, com certeza, vamos avançar na melhoria do ensino por aqui. Não queremos apenas incluir, mas implantar um olhar de forma exclusiva para a Educação Especial, como é necessário. Estamos equipando nossas escolas regulares e também respeitando o trabalho que vem sendo feito pelos municípios - afirmou a gestora. 

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Endossando a fala da secretária, o superintendente de Educação Especial da Seeduc, Daniel Bove, explica que a mesa interativa chega como um aliado na avaliação dos estudantes.

- Entregamos um aparelho moderno de tecnologia assistiva. Ele vai permitir que os alunos tenham um ensino-aprendizado mais efetivo. Como a tecnologia é capaz de quantificar em números e gráficos, nossa equipe conseguirá identificar o avanço do aluno e o quanto ele está aprendendo - disse o professor.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

A ideia da visita é, entre outras ações, ajudar a unidade estadual, que é um símbolo da Educação Especial de Volta Redonda, a melhorar a qualidade do ensino e da inclusão. Para isso, a secretaria entende que precisa preparar o espaço para receber novos alunos oriundos do próprio município. Desta forma, além de atender a população, a Seeduc atende também a demanda de Volta Redonda.

A Seeduc reafirma seu compromisso de diálogo entre os estados e municípios visando o atendimento ao público, e vê que Volta Redonda já desponta com várias ações educacionais e de assistência à pessoa com deficiência, o que pode ser potencializado com apoio do Governo do Estado.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Roberta Barreto participa do Encontro Internacional de Educação Midiática

Secretária de Educação esteve na abertura do evento, que debateu temas como direitos humanos, meio ambiente e democracia na era da inteligência artificial

 

Um evento fundamental, com um tema sensível e importante para o futuro do mundo. Nesta quinta-feira (23/05), no auditório da Editora Globo, no Centro do Rio, foi realizado o Encontro Internacional de Educação Midiática, que tratou de temas como Direitos Humanos, Meio Ambiente e Democracia na Era da Inteligência Artificial. A secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto, participou da mesa de abertura do evento e destacou a importância de se abordar esse assunto em todos os setores.

 

– Nós, gestores da educação pública do Brasil, entendemos que a educação midiática não é apenas uma disciplina no currículo escolar. Ela é uma formação constante para o amplo dever da cidadania, para o pleno entendimento e para o posicionamento enquanto cidadão. Qual a formação que o estudante deve ter, na educação midiática, para enfrentar todos esses desafios, que estamos trazendo neste encontro? Nós sabemos que não queremos estudantes apenas consumidores da educação midiática ou da inteligência artificial, mas queremos estudantes que possam produzir informações valiosas e contextualizá-los com o seu cenário de vivências pessoais e também no seu processo de vida – afirmou Roberta Barreto

 

Os riscos e as possibilidades que a inteligência artificial pode nos proporcionar a curto e médio prazos têm sido pauta em diversos debates. Das democracias e eleições ao mundo do trabalho, passando pelo universo da saúde e da educação, o tema tem ganhado cada vez mais espaço no Brasil e em outros países, assim como a preocupação com a crise climática e a proteção dos direitos humanos em um planeta em ebulição.

 

– Esse tema agrega todos os desafios que o ambiente digital nos traz, com diversos assuntos interligados. É algo imenso, com o uso de novas tecnologias relacionadas ao processo de educação. Temos a necessidade de trabalhar isso desde já – comentou Adauto Soares, coordenador do Setor de Comunicação e Informação da Unesco.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Realizado nos dias 23 e 24 de maio, o evento é voltado, em especial, para educadores, professores, pesquisadores, organizações do terceiro setor, formuladores de políticas públicas e jornalistas, a fim de discutir esse novo cenário e possíveis soluções. Dentre os convidados estão Adeline Hulin, chefe da Unidade de Alfabetização Midiática e Informacional e Competências Digitais na Sede da Unesco, e Kyle Pope, cofundador da Covering Climate Now, além de Vitor de Angelo, presidente do Consed e secretário estadual de Educação do Espírito Santo, e representantes dos ministérios da Educação e dos Direitos Humanos e Cidadania.

 

– Gostaria de compartilhar uma rica experiência da rede estadual de educação do Rio de Janeiro e que nos leva a refletir sobre a importância da Educação Midiática. Hoje, nós temos na rede a formação de 100 jovens do Ensino Médio como jovens repórteres, na expectativa do G20. Encontramos em nossas escolas vocacionadas alunos com esta vocação e que já nos posicionaram sobre a importância da informação consciente e da construção do cidadão que pode ser colaborativo para minimizar todas essas diferenças sociais que existem. Eles farão um curso com a participação de grandes centros de mídia e de grandes empresas de tecnologia para que eles possam ser propulsores de novas experiências com a rede e outros colegas – pontuou a secretária Roberta Barreto.

 

As novas tecnologias devem ser exploradas de forma crítica e responsável, para entendermos seus impactos sobre a justiça social e a democracia – e não apenas como ferramenta de trabalho em uma sociedade digital.

 

– Esse é um assunto muito importante para toda a plataforma. Temos que trazer esse tema para o centro, falar de educação midiática de forma mais aberta e estratégica. Educar nossos usuários para o que eles estão consumindo, e também para o que estão criando. Isso é fundamental para o pensamento crítico. Tem que se ter consciência do que estão recebendo de informação e como estão interpretando tudo aquilo que estão recebendo. Isso tem que estar na pauta do agora – comentou a Head de Educação do YouTube, Clarissa Orgerb.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

A educação midiática pode contribuir para o enfrentamento do impacto climático, ao incentivar a identificação de fontes confiáveis e a compreensão de como informações podem ser manipuladas, promover o pensamento crítico e a participação cidadã, mitigar a polarização e estimular uma comunicação mais eficaz.

 

– Muitas pessoas se informam hoje nas mídias sociais. Se pensarmos que hoje as informações são feitas assim, vamos ter a priorização do que se quer ver, e a personalização do interesse. Estamos na segunda revolução da inteligência artificial. A definição é ampla, e precisamos evoluir juntos com a tecnologia. Nós precisamos contemplar várias outras coisas, como o letramento da inteligência artificial e de redes sociais. Devemos nos adaptar a contextos específicos. A educação midiática não é uma bala de prata, precisamos do envolvimento de vários agentes. O importante é tentar entender o que está sendo discutido quando tratamos deste tema – declarou Adeline Hulin, chefe da Unidade de Alfabetização Midiática e Informacional e Competências Digitais da Unesco.

 

O Encontro Internacional de Educação Midiática é uma realização do Instituto Palavra Aberta com patrocínio do Google, do YouTube e da Embaixada e Consulados dos EUA no Brasil. O apoio é da Fundação Roberto Marinho, do Consed e da Jeduca, e conta com a cooperação da Unesco.

 

– Quando chamamos este jovem para esse dever da construção da informação real, nós também estamos o convidando para falar sobre o uso consciente da internet. Esse é um desafio permanente de todos nós, do mundo contemporâneo. Não queremos apenas que eles sejam consumidores, mas que eles naveguem com muita experiência e competência neste mundo novo – finalizou Roberta Barreto.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

NOTA DE REPÚDIO

A Secretaria de Estado de Educação esclarece que é falsa a informação sobre a contratação do Instituto Anjos Maura de Oliveira para a implantação de projeto que visa a educação amorosa dos estudantes da rede. O contrato está inserido no programa Nota Zero para o Abuso, para a conscientização e o combate à exploração sexual de crianças e adolescentes. A ação faz parte da campanha nacional “Maio Laranja”.

A idealizadora do projeto Maura de Oliveira deu nome à Lei Estadual nº 9.234/21, de Combate e Prevenção à Pedofilia, Cyberpedofilia, Abuso e Exploração Sexual Infantil, e criou o Projeto Anjos, que busca informar e educar, oferecendo às crianças, adolescentes, professores e familiares conhecimento sobre o tema, habilitando a autodefesa, autoestima e empoderamento como garantia dos direitos e prevenção a novas vítimas.

A Secretaria de Educação alerta ainda sobre os danos causados pela propagação de fake news e a importância de verificar a veracidade das informações antes de compartilhá-las.

Em ofício encaminhado ao Sepe-RJ (Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Estado do Rio de Janeiro), a secretaria pede a retirada do conteúdo mencionado do sítio eletrônico do sindicato, bem como qualquer publicação em rede social do mesmo, além da retratação pública informando que se tratou de um equívoco.


Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Governo do Estado abre inscrições para migração da jornada de trabalho de professores de 18h para 30 horas semanais

A mudança, autorizada pelo governador Cláudio Castro, será feita por etapas e os docentes podem se candidatar até o dia 28 de maio

 

A Secretaria de Estado de Educação abriu, nesta terça-feira (14/05), inscrição para migração voluntária da jornada de trabalho do Professor Docente I, de 18h para 30 horas, em caráter definitivo. A mudança foi autorizada pelo governador Cláudio Castro, por meio de decreto publicado em Diário Oficial, em abril. O período de inscrições vai até o dia 28 de maio.

 

 — Esse é um passo muito importante para atender a uma demanda antiga da rede estadual e foi possível com muito diálogo. Com responsabilidade e atenção às contas públicas conseguimos avançar na migração da carga horária. É mais uma vitória para o magistério e para nossa gestão — destacou o governador Cláudio Castro.

 

O servidor que escolher fazer a migração terá assegurado todos os benefícios relativos à jornada de 30 horas semanais em sua carreira, como a aposentadoria e vencimentos proporcionais à nova jornada. A mudança não será obrigatória, e o cargo de Professor Docente I não será extinto.

 

A transição ocorrerá por etapas, conforme cronograma e regras publicadas via resolução em Diário Oficial. Entre elas, estão a análise de pontuação do servidor, o exercício de GLP (Gratificação por Lotação Prioritária) e o tempo de ingresso nos quadros da Seeduc, além da carência de professores por disciplina.

 

— Foram muitas reuniões, tanto com a categoria, que foi ouvida e acolhida, quanto com nossos técnicos, até finalmente conseguirmos essa importante conquista para nossos professores. Isso demonstra o compromisso que o governo tem com os docentes. Seguiremos trabalhando para valorizar ainda mais a carreira do magistério — afirmou a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto.

 

O regime de 30 horas semanais deverá ser cumprido na forma de 20 horas de efetiva regência, acrescida de 10 horas de planejamento e estudo, seguindo assim a Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Também não haverá prejuízo na progressão para os que optarem pela troca do regime, sendo assegurada a manutenção do nível e referência que se encontravam antes da migração, conforme Plano de Carreira do Magistério, bem como será mantida a classificação do docente na unidade escolar para efeito de alocação nas turmas e turnos.

 

Os docentes interessados em migrar a jornada de trabalho de 18h para 30 horas semanais devem acessar o site (clique aqui) e seguir o passo a passo. A plataforma, que entrou no ar nesta manhã, estará disponível até as 23h59 do dia 28 de maio.




Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Estudante da Seeduc ganha medalha de bronze nos Jogos Escolares Brasileiros em Sergipe

Um aluno da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ) conquistou a medalha de bronze nos Jogos Escolares Brasileiros – JEB’s Sub-18/2024, disputado nesta quarta e quinta-feira (22 e 23/05), em Sergipe. O ganhador foi Josué de Andrade Dirques, estudante-atleta do Colégio Estadual Comendador Valentim dos Santos Diniz (NATA), em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio. O jovem alcançou o 3º lugar do pódio ao competir na modalidade Wrestling, na categoria até 48 kg estilo livre. O esporte é uma luta e está entre as práticas mais antigas da humanidade.

— Foi uma experiência incrível, ainda mais que este é o segundo campeonato de que participo. Agradeço aos meus professores e à minha irmã por terem me apresentado o esporte — disse Josué, que começou com o pé direito na modalidade, já que treina apenas há quatro meses.

O estudante-atleta contou que a prática esportiva tem melhorado sua performance nos estudos também.

— Me ajuda a ter foco, ser bom aluno e a me tornar uma pessoa melhor. Além de ajudar a ter mais estabilidade mental — afirmou o jovem medalhista.

No colégio, a boa classificação nos Jogos Escolares Brasileiros – JEB’s/2024 foi bastante comemorada pela comunidade escolar.

— Ficamos felizes e orgulhosos, já que acompanhamos o engajamento do aluno dentro e fora da escola. É ótimo olhamos os resultados positivos dessa união que é a educação e o esporte — comemorou a diretora-geral, Juliana Cardoso, que está à frente do colégio há um ano.

 

O que é Wrestling?

 

A luta está entre os esportes mais antigos da humanidade. Há registros que mostram pessoas lutando com movimentos parecidos com os atuais nos anos 2000 a.C., assim como histórias da mitologia grega envolvendo a atividade. A modalidade também fez parte dos Jogos Olímpicos da era antiga, estreando no ano de 704 a.C., mas com regras diferentes daquelas que posteriormente seriam as oficiais do esporte.

A luta permaneceu no programa até a extinção da competição. Na estreia dos Jogos Olímpicos da era moderna, em 1896, a luta foi apontada como um dos principais elos com o passado. Assim, iniciou-se a história de uma das modalidades mais tradicionais do programa olímpico até os dias de hoje.

A única edição na qual não houve a luta foi em Paris 1900. Em 1908, foram criados os estilos livre e greco-romano, que permanecem até hoje. Depois, foram surgindo as divisões por categorias. Na edição de Atenas 2004, as mulheres estrearam competindo na luta. Para vencer o combate, o lutador precisa somar mais pontos que o adversário, conforme a pontuação dos golpes aplicados, sempre seguindo as regras da modalidade. Alguns golpes podem encerrar a luta imediatamente.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Alunos da rede estadual ajudam vítimas das chuvas no Rio Grande do Sul

Estudantes doaram e foram às ruas para arrecadar alimentos, materiais de higiene pessoal, roupas e água potável

 

 

Uma aula prática com bastante empatia e muito amor ao próximo. Foi assim que os alunos do Colégio Estadual Raul Vidal, em Niterói, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, fizeram doações e também foram às ruas para arrecadar, no comércio e nas comunidades onde moram, alimentos, materiais de higiene pessoal, roupas e água potável para as vítimas das chuvas no Rio Grande do Sul.

– Sentimos no coração que precisávamos ajudar o próximo. Mesmo que seja com pouco de cada um, quando juntamos, dá diferença – disse Ana Clara Azevedo Machado, da 2ª série do Ensino Médio.

Apesar da pouca idade, os estudantes sabem das suas responsabilidades e dos exemplos que precisam deixar às futuras gerações.

– São imagens e ações assim que precisamos e devemos deixar. Por isso, reforçamos por onde passamos que toda ajuda é bem-vinda e super importante – ressaltou a aluna Ana Vitoria da Silva Oliveira.

A secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto, parabenizou a iniciativa da escola e dos alunos, que não mediram esforços para arrecadar mantimentos para as pessoas afetadas pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

– Estamos muito felizes com esta corrente do bem que os nossos estudantes promoveram para ajudar as vítimas da chuva. Agora, mais do que nunca é hora de nos unirmos e ajudarmos. O Rio Grande do Sul precisa de nós – destacou Roberta Barreto.

 

Mensagens de esperança em cartazes

 

Os exemplos de compaixão e de solidariedade não param por aí. Além das doações, os alunos fizeram cartazes com frases como “SOS Rio Grande Sul”, “Força RS”, “Estamos com vocês”, “Vai ficar tudo bem”.

– Ao longo desta campanha, percebemos que fazer o bem faz muito bem. Foi muito gratificante para a gente. E ficamos com um sentimento tão bom. Não tem explicação a sensação de dever cumprido – contou a estudante Naeli Alves Soares, acrescentando que haverá outras campanhas.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Seeduc-RJ promove o 1º Encontro com Organizadores de Torneios, Campeonatos, Concursos e de Olimpíadas do Conhecimento

A iniciativa tem como objetivo estreitar laços, fortalecer e construir novas parcerias, para que alunos da rede consigam mais premiações

 

Nesta quinta-feira (23/05), a Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ) promoveu o 1º Encontro com Organizadores de Torneios, Campeonatos, Concursos e de Olimpíadas do Conhecimento, com o objetivo de estreitar laços e construir novas parcerias com a Seeduc-RJ, a fim de que os alunos da rede sejam premiados com medalhas, bolsas de pesquisas e vagas nas universidades.

— Este encontro é muito importante para intensificar ainda mais o trabalho que realizamos para estimular nossas escolas e alunos a participarem de competições. Frequentemente, temos exemplos de estudantes que se destacam. E é incrível ver o sucesso de nossos alunos nesses eventos — afirmou a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto.

A superintendente de Avaliação e Acompanhamento do Desempenho Escolar, Rosana Mendes, destaca a importância do evento para o incentivo à participação dos estudantes nas competições de conhecimento.

— Essa iniciativa busca fomentar e mostrar que competições como essas ampliam ainda mais o conhecimento, além de trabalhar efetivamente o desenvolvimento de raciocínio e acrescentar experiências incríveis aos nossos alunos no âmbito escolar e fora dele. As Olimpíadas do Conhecimento são um protótipo do que há de melhor na construção de uma relação de ensino-aprendizagem, trazendo exigências do mundo contemporâneo, tais como autonomia, iniciativa, proatividade e trabalho em equipe. É um orgulho imenso poder estabelecer e traçar trajetórias diferentes para os nossos meninos. É o nosso compromisso, a nossa responsabilidade — declarou a superintendente.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

No encontro, foi apresentada aos convidados a ferramenta ‘Olimpiando’, desenvolvida pela Seeduc como uma estratégia para o acompanhamento das escolas e estudantes nos torneios e competições, o que tem surtido efeitos bem positivos.

— Aqui estamos fazendo nossa parte para que os alunos fiquem mais inseridos nas competições científicas, e também para incentivar a criação de novas olimpíadas do conhecimento. É muito importante para impactar ainda mais os estudantes da rede pública, mostrando que tem muita gente acreditando no potencial desses jovens, inserindo-os nesse modelo de alto rendimento da educação — acrescentou João Antônio Aguiar Pimentel, de 18 anos, organizador dos Campeonatos Nacionais de Química (CNQ) e de Física (CNF).

Os torneios, campeonatos, concursos e olimpíadas do conhecimento são potentes instrumentos de aprendizagem e avaliação para os estudantes, sendo uma importante ferramenta pedagógica dentro do processo de avaliação de ensino no cenário educacional. Somente neste ano de 2024, a rede estadual está estimulando cerca de 40 competições, como a Olimpíada Brasileira de Matemática (OBMEP), a Fira Brasil de Robótica e a Olimpíada Digital Senac 2024, entre outros.

— As olimpíadas do conhecimento oferecem aos nossos estudantes a chance de explorar e aprofundar suas capacidades, proporcionando um ambiente desafiador e motivador que pode transformar vidas e abrir portas para novas conquistas escolares e profissionais. Ter esse time de organizadores reunido vai nos permitir ampliar a divulgação e a participação das escolas estaduais nessas competições — destacou a subsecretária de Gestão de Ensino da Seeduc, Joilza Rangel.

A segunda parte do encontro acontecerá, de forma on-line, na próxima terça-feira (dia 28/05), trazendo mais detalhes desta iniciativa.

— É importante o incentivo e a união de todas essas instituições, estimulando nossos alunos e professores. Ver este encontro está sendo um privilégio. Os nossos cidadãos alunos agradecem esses esforços de todos aqui presentes — comentou Wesley Karllos Neves Conceição, superintendente de Gestão das Regionais Pedagógicas.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Exemplos para serem seguidos em competições

 

Seis estudantes do Colégio Estadual Marechal Zenóbio da Costa, em Nilópolis, na Baixada Fluminense, conquistaram medalha de bronze na Olimpíada Internacional de Matemática, em Nova York, nos Estados Unidos, em julho de 2023. Também na Baixada, só que em Nova Iguaçu, alunos dos colégios Bernardino Mello Junior e Maria Justiniano Fernandes ganharam o primeiro lugar do Fira Brasil, campeonato nacional de robótica, realizado em novembro, em Juazeiro do Norte, no Ceará.

— Com este encontro, estamos dando intencionalidade. Juntos, podemos mudar a vida desses alunos. Que todos esses esforços possam se convergir e mudar a vida de nossos jovens — destacou a assessora especial da Subsecretaria de Gestão de Ensino, Ana Valentina Natal Meirelles.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Ellan Lustosa - Seeduc-RJ

Seeduc institui o Programa de Formação por uma Educação Antirracista

Publicada no Diário Oficial desta quarta-feira (22/05), resolução propõe ações de conscientização, prevenção e combate ao racismo nas escolas



Incentivar os profissionais de educação a lutar contra o racismo, com capacitação permanente que fomente o debate acerca da Educação para as relações étnico-raciais e a criação de políticas educacionais efetivas no combate deste mal. Com este objetivo, foi publicado no Diário Oficial, nesta quarta-feira (22/05), uma resolução da Secretaria de Estado de Educação (Seeduc-RJ) que institui o Programa de Formação por uma Educação Antirracista, buscando ampliar o debate, propor ações de prevenção, identificação e combate ao racismo na educação pública fluminense.

 

– Ações antirracistas são dever de todos, não apenas para corrigir, mas para criarmos uma sociedade coletiva. Nós, da Seeduc-RJ, acreditamos que a educação é a chave para a transformação social e a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Que possamos compartilhar todo esse conhecimento – defendeu a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto.

 

A iniciativa tem o objetivo de oferecer novos elementos para a conscientização e o enfrentamento do racismo na rede estadual de ensino. A proposta é que todos estejam conscientes e engajados em ações institucionais antirracistas e que não reproduzam situações de desigualdade, discriminações e preconceitos. Assim, a ideia é eliminar ações que resultem em práticas racistas nas unidades escolares.

Fotos: Ellan Lustosa - Seeduc-RJ

As ações formativas desenvolvidas por meio do programa serão definidas, tendo por finalidade precípua a melhoria da qualidade da educação pública estadual, sob uma perspectiva antirracista, anticapacitista e pautada nos direitos humanos, e devem instrumentalizar os servidores da rede pública estadual de ensino para uma atuação consciente acerca do papel da política de educação e da escola na promoção da equidade, estimulando a criação de proposições pedagógicas que dialoguem com o fortalecimento das identidades múltiplas que formam nossa sociedade e oferecendo elementos para a construção de ações que permitam a prevenção e o enfrentamento do racismo institucional.

 

– Nesta época, refletimos sobre o amor e a humanidade. É fundamental que nós, como educadores, tenhamos a dimensão da importância de nossa função social na escola, que precisa acreditar na força de transformação que ela tem. Estamos ressaltando a importância da igualdade, do respeito e da justiça – destacou a subsecretária de Planejamento e Ações Estratégicas, Myrian Medeiros.

Fotos: Ellan Lustosa - Seeduc-RJ

A resolução busca reconhecer e valorizar as culturas afro-brasileira e indígena como base da formação societária brasileira, e seus trânsitos interculturais, que formam as diferentes identidades nacionais. Também visa ampliar o conhecimento sobre os dispositivos legais relacionadas a esta temática, além de fomentar a articulação da escola com equipamentos educativos, culturais e esportivos (privados e/ou públicos) que preservem a história da população afrodescendente e dos povos originários no estado do Rio de Janeiro

 

– O estabelecimento de uma educação antirracista é fator determinante para ajudar a reduzir a exclusão escolar – concluiu a subsecretária Myrian Medeiros.

Fotos: Ellan Lustosa - Seeduc-RJ

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Seeduc-RJ realiza encontros para valorizar boas práticas de professores da Educação Básica​

A iniciativa faz parte das diversas ações promovidas pela secretaria com foco no programa ‘Compromisso Nacional Criança Alfabetizada’, e busca a melhora da alfabetização de crianças no estado

 

A Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ) promoveu, nesta terça-feira (21/05), os Encontros de Mobilização para Partilha de Saberes e Boas Práticas nos municípios de Nova Iguaçu, São Gonçalo e Itaperuna. A iniciativa faz parte das diversas ações que estão sendo realizadas pela secretaria com foco no programa ‘Compromisso Nacional Criança Alfabetizada’, visando a melhora da alfabetização das crianças, por meio do Regime de Colaboração nos 92 municípios do Estado.

Estes são os primeiros encontros, no total de dez, que vão valorizar as melhores boas práticas nos âmbitos municipais. Após esta etapa, os finalistas concorrerão ao prêmio Magda Soares: Transformando a vida pela Leitura, que vai ser realizado no segundo semestre deste ano, no entanto na esfera estadual.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

A subsecretária de Planejamento e Ações Estratégicos da Seeduc-RJ, Myrian Medeiros, destacou a importância do regime de colaboração entre estado e município para a construção de uma educação pública cada vez mais eficaz.

Este evento é mais uma das ações fundamentais que a Seeduc está fazendo em parceria com os municípios para proporcionar um bom aprendizado para as nossas crianças desde a Educação Básica até o Ensino Médio. Não podemos caminhar sozinhos, por isso estamos unindo nossas forças — disse a subsecretária que representou a secretária de Educação do Rio de Janeiro, Roberta Barreto, no evento que aconteceu em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

O encontro contou com um momento para lá de emocionante, quando a pequena aluna da Escola Municipal Maria Eliondas dos Santos, em Nova Iguaçu, Ísis Martins, de 6 anos, fez a leitura de Ziraldo - poema escrito pela poetisa Juliana Valentim, homenageando o escritor e cartunista que faleceu em 6 de abril deste ano.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Quem foi Magda Soares?

 

Magda Soares é considerada um dos maiores nomes na área da alfabetização e letramento no Brasil. Foi professora emérita da Faculdade de Educação (FAE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pesquisadora e uma das fundadoras do Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita (Ceale), teve diversos livros publicados e premiados. Magda faleceu em janeiro de 2023.

Fotos: Sandra Barros - Seeduc-RJ

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Aluna do Colégio Jorge Zarur é campeã do Campeonato Brasileiro de Jiu-Jítsu

A jovem atleta ganhou a medalha de ouro na categoria Juvenil 2 Médio, faixa branca, peso meio-pesado

 

Yasmin Cristhina Fonseca Silva, de 16 anos, estudante da 2ª série do Ensino Médio do Colégio Jorge Zarur, em Bangu, na Zona Oeste do Rio, alcançou o lugar mais alto do pódio no Brasileiro de Jiu-Jítsu 2024 da IBJJF, realizado no Ginásio Poliesportivo José Correa, em Barueri, São Paulo, em abril. A medalha de ouro foi conquistada na categoria Juvenil 2 Médio, faixa branca, peso meio-pesado, após aplicar o golpe “armlock” na primeira luta e vencer a segunda disputa por sete pontos e duas vantagens diante das adversárias.

A campeã Yasmin conta que a vitória foi resultado de muita dedicação e treino.

– Esta conquista me fez sentir realizada e satisfeita. Foi um longo e duríssimo ano de preparação, por isso não esperava outro resultado. Cheguei lá com a consciência de que todos queriam ser campeões tanto quanto eu, mas quantos, de fato, se esforçaram para isso? Sabia que havia me dedicado de forma excepcional e fui atrás – comemora a medalhista que, após terminar os estudos, pretende continuar buscando se firmar como lutadora.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Na unidade escolar, todos estão orgulhosos da mais recente campeã brasileira e estadual. É o caso da Mara Nei Gonzaga Nunes, diretora-geral da escola.

– É uma honra olhar nossa aluna oriunda desta comunidade e ser uma estrela brilhante, despontando como exemplo de garra e determinação para outros jovens que se dedicam ao esporte e aos estudos – orgulha-se a diretora-geral.

A jovem atleta vive uma rotina agitada e concilia os estudos com os treinos que acontecem de cinco a seis vezes por dia. Além do jiu-jítsu, ela faz crossfit, academia, circuito funcional, preparação física e pilates.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Também campeã estadual de Jiu-Jítsu

 

O ano de 2024 começou com outra conquista importante: o Campeonato Estadual da Confederação Brasileira de Jiu-Jítsu Olímpico (CBJJO) realizado no Rio de Janeiro, que teve como palco111 a Arena da Juventude. E mesmo ficando em primeiro lugar, ela afirma que ainda precisa melhorar.

– Fiquei muito feliz com o meu resultado apesar de achar que ainda posso melhorar ainda mais a minha performance, pois o jiu-jítsu é muito sobre evolução, então sempre podemos melhorar alguma coisa – conta ela, acrescentando que o dia ficará marcado por ter sido a sua estreia como faixa azul.

Fotos: Divulgação - Seeduc-RJ

Fotos: Ana Cabral - Seeduc-RJ

Dia do Físico: Professor da rede estadual escreve livro com personagens dos quadrinhos para explicar questões científicas

A obra ‘A Física e os Super-Heróis’ tem objetivo de ensinar os alunos de maneira simples e descontraída temas abordados em sala de aula

 

 

Hoje, 19 de maio, é comemorado o Dia do Físico, e um professor de Física, Ronei Coelho, do Ciep 137 Cecília Meireles, em Petrópolis, Região Serrana do Rio, tem se destacado por escrever o livro ‘A Física e os Super-Heróis’. A obra responde a perguntas como: “A quantos anos-luz Krypton se encontra da Terra e de que maneira Superman poderia ser de lá enviado e ter chegado por aqui ainda bebê? Como ele poderia voar e ter uma visão baseada nos raios X?”. O livro faz uma divertida relação entre a física e a cultura pop, visando tornar o aprendizado dos estudantes mais fácil e legal.

 

— O livro pode ser utilizado em sala de aula como uma importante ferramenta pedagógica que não somente se empenha em encontrar maneiras de descrever fenômenos físicos complexos em termos mais simples. Com a obra, busco atingir meus alunos, como procuro alternativas para deixar minhas aulas mais atrativas. Acredito que a abordagem da Física a partir da análise dos poderes dos super-heróis proporciona uma aproximação da ciência à cultura dos jovens — destacou o professor Ronei Coelho.

 

A obra traz uma linguagem descontraída, acessível e amplamente ilustrada, mostrando citações de experimentos já realizados, tornando todo o processo dinâmico e envolvente. O que evidencia que não é necessário ser especialista em Física ou Matemática para entender os conceitos nele abordados.

 

A aluna Jessica Ferreira dos Santos, da 2ª série do Ensino Médio, falou sobre a ferramenta pedagógica utilizada pelo professor nas aulas. 

 

— É um livro bem leve, educativo, diferente dos livros de Física. Acho que a maioria dos jovens nunca tinha visto. Com a obra, a gente aprende muito coisa legal, e as aulas ficam mais interessantes — disse a estudante.

 

 

Saiba mais sobre o autor

 

Ronei Coelho nasceu em Petrópolis-RJ, em 1980, local onde reside até hoje. É licenciado em Física pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) com pós-graduação em Gestão Escolar. Como professor de Física para o Ensino Médio, atuou por vários anos como preceptor, junto ao Cefet/Petrópolis, dos programas de formação de professores Pibid e Residência Pedagógica.

 

Leciona há 16 anos e, atualmente, atua no projeto ‘O Ensino de Ciências na Educação Básica a partir da abordagem Ciência-Tecnologia-Sociedade (CTS): materiais e práticas educativas colaborativas’, autoria do Cefet/Petrópolis, financiado pela Faperj e em desenvolvimento no Ciep 137 Cecília Meireles, escola escolhida para plantar as sementes da educação e colher seus recompensadores frutos.

Fotos: Ana Cabral - Seeduc-RJ


Fotos: Ellan Lustosa - Seeduc-RJ

Nunca é tarde para recomeçar: morador de rua recebe certificado escolar

Thiago Soares Oliveira renovou sua esperança em um futuro melhor ao conseguir seu documento de conclusão do Ensino Médio no estande da Seeduc durante o ‘Registre-se!’

 

Uma história de superação, com muita força de vontade e desejo de ser melhor. Thiago Soares de Oliveira, 38 anos, atualmente em situação de rua, sempre sonhou em voltar a estudar e conseguir um novo rumo em sua vida. Após vários percalços, com o apoio da equipe da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ), ele conseguiu seu certificado e retomou a esperança de um futuro melhor. Esta foi uma das dezenas de histórias de transformações que aconteceram no ‘Registre-se!’, uma iniciativa que tem como objetivo combater o sub-registro civil de nascimento no país e ampliar o acesso à documentação civil básica a todos os brasileiros e brasileiras, em especial, a população considerada vulnerável.

 

A história de Thiago é muito parecida com a de vários brasileiros, que não desistem nunca. Abandonado por mãe e esposa, ele passou por várias dificuldades, sem nunca perder a esperança de que as coisas poderiam melhorar. A educação, para ele, é a ponte para um futuro melhor. Na rua, acabou se tornando usuário de drogas em seu momento mais difícil, mas ele, no fundo, acreditava que a fase iria passar e algo melhor iria acontecer.

 

Thiago sofreu várias violências e foi furtado diversas vezes, perdendo seus pertences, documentos e o histórico escolar, que ele guardava de olho no futuro, com seu sonho de fazer faculdade e conseguir um bom emprego. Estava levando a vida com sua arte, com os desenhos que fazia, baseados principalmente em HQs de super-heróis. Mas ele queria muito mais.

 

– Passei muita dificuldade, mas nunca deixei de sonhar. Acabei numa situação não muito legal, tenho depressão e ansiedade, mas sei que posso vencer. Minha mãe, que era narcisista, não gostava de mim, e fui abandonado pela minha mulher. Estou em situação de rua. Me roubaram tudo, e não consegui mais trabalho. Sou um artista e, apesar de tudo o que passei, acredito que ainda terei um futuro – disse Thiago.

Fotos: Ellan Lustosa - Seeduc-RJ

Durante o evento ‘Registre-se!’, organizado em parceria com a Corregedoria Nacional de Justiça, Thiago tomou coragem e procurou ajuda na tenda do Seeduc + Perto, programa da Secretaria de Estado de Educação. Chegou ao espaço muito nervoso e aflito, contou sua história e sensibilizou a equipe, que o ajudou a recuperar sua documentação e, principalmente, o ajudou a obter seu certificado de conclusão do Ensino Médio. Ele se emocionou bastante ao receber a certificação, o que lhe dá mais perspectivas para sair das ruas.

 

– Neste evento, encontrei o amparo do pessoal da Seeduc, que resolveu a expedição da segunda via do meu certificado. Agora, posso voltar ao mercado e estudar ainda mais. Vou lutar por uma vida melhor, com mais perspectivas. E quero publicar minhas obras. Estou muito contente – afirmou ele, exibindo seu certificado, com muito orgulho.

Fotos: Ellan Lustosa - Seeduc-RJ

Oferta de serviços e benefícios à população

 

O Seeduc + Perto é um programa da Secretaria de Estado de Educação com o objetivo de aproximar a sociedade da secretaria, atender as demandas da comunidade escolar e evitar a necessidade de deslocamento da população dos bairros mais distantes para a sede da pasta. São oferecidos mais de 50 tipos de serviços à população.

 

– Histórias como a do Thiago nos motivam a lutar por um ensino de qualidade. A educação transforma e pode mudar vidas. Com o diploma em mãos, ele vai dar o pontapé inicial para um futuro com novos voos. Desejo muita sorte – afirma a secretária de Estado de Educação, Roberta Barreto.

 

O ‘Registre-se!’ ocorre anualmente em todo o país e tem o objetivo de conscientizar a população sobre a importância do registro civil. Com o acesso à documentação e aos serviços oferecidos no programa, as pessoas ganham condições para atender a uma exigência básica que permite pleitear benefícios das políticas sociais que o governo federal e as unidades da federação praticam. Essas pessoas passam também a ter condições de buscar qualificação profissional e de se apresentar para um emprego com contratação formal. Neste ano, a ação social aconteceu nos dias 14, 15 e 16/05, na Praça do Expedicionário, no Centro do Rio, ao lado do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ).

 

Além dos atendimentos prestados pela Seeduc, foram realizados serviços como emissão e localização de certidões de nascimento, casamento e óbito; registros de nascimento tardios; emissão de carteira de